Peças escritas para dois executantes em um piano  fazem parte da história da música há muito tempo. Algumas peças inglesas para piano a quatro mãos datam do início do século XVII, mas as primeiras obras primas do gênero são as Sonatas de Mozart (1756 -1791). Schubert(1797-1828), Schumann(1810 - 1856)e Brahms(1833 - 1897).

Uma das causas que estudiosos no assunto apontam para o aparecimento das obras para quatro mãos é social: houve um tempo em que as oportunidades de aproximação entre jovens de sexos opostos eram bem mais limitadas e tocar a quatro mãos no mesmo instrumento oferecia uma chance de aproximação física, um cruzar de mãos, mesmo quando a música não pedia. De fato, nessa prática predomina a existência de laços de intimidade dentre seus executantes: irmãos (como Mozart e sua irmã), casais (como Robert e Clara Schumann), professores e alunos, amantes e amigos.

Se você ficou curioso e tem vontade de assistir um recital de piano a quatro mãos, vai aí uma sugestão para quem vive em Goiânia: No dia 24 de junho o Duo de pianistas espanhol Carles Lama e Sofia Cabruja estará se apresetando no SESC Cidadaia às 20h30min horas, com entrada franca. No programa, entre outras, a célebre Fantasia em Fá menor de Franz Schubert, composta no ano de sua morte (1828).

No vídeo, a Fantasia na interpretação magistral da pianista portuguesa Maria João Pires e de seu aluno, o jovem pianista Julien Libeer, em Bruxelas (Bélgica):

Até a próxima semana!

* Gyovana Carneiro é professora da Escola de Música e Artes Cênicas da UFG, mestre em Música na contemporaneidade, doutoranda em Ciências Musicais na Universidade Nova de Lisboa - Portugal. Promove Séries de Concertos em Goiânia. (www.concertosemgoiania.com)