O mau hálito é um assunto tão sério que a Associação Brasileira de Halitose, a Abha, criou um dia específico como Dia Nacional de Combate ao Mau Hálito – o 22 de setembro. A campanha de 2015 tem como tema Mau hálito: você precisa estar bem informado e, neste ano, tem a participação de 17 estados, sendo 54 dentistas espalhados por todo o Brasil junto a esse trabalho de conscientização da população. A coordenação da campanha nacional é minha e, aqui em Goiânia, seremos quatro dentistas participando da organização dessa campanha.

Para tanto, a Abha disponibilizará membros associados em diversos locais do País com palestras gratuitas e ações em espaços públicos e privados. O objetivo é alertar e informar a população sobre os transtornos que a halitose pode trazer, bem como as formas de prevenção e os cuidados bucais diários importantes para uma boa saúde. Já agora, no dia 10 de setembro, a movimentação começará no Congresso Internacional de Odontologia de Goiás (Ciogo). Nele, será lançada a campanha para cirurgiões-dentistas de diversos países e estados brasileiros, que participarão do Congresso.

Por ser esse um assunto constrangedor e que atormenta a vida de mais 1/3 da população brasileira, é preciso esclarecer o que é mito e verdade. A verdade, sem sombra de dúvidas, é que quase todos nós, em alguma fase da vida, já ficamos temerosos em relação ao nosso hálito. O mau hálito atinge aproximadamente 40% da população brasileira e, por engano, no entanto, associamos o odor fétido à falta de higienização ou doenças gástricas. O que realmente acontece é que o mau hálito é sinal de que alguma coisa está em desordem no nosso organismo e a boca é a principal responsável por essa situação.

É certo que as doenças sistêmicas são responsáveis por aproximadamente 10% da halitose e vários males repercutem no hálito, inclusive câncer, diabetes e algumas síndromes. Isso porque os gases produzidos pelo organismo saem pelos pulmões, sendo eliminados pelas vias área e bucal. Mas são as alterações salivares, doenças da gengiva, saburra lingual, próteses mal adaptadas, cárie e diversas outras patologias bucais as maiores causadoras do tão temido mau hálito.

O problema é diagnosticado por meio de consulta e exames que avaliam a quantidade e a qualidade de saliva e hálito emitidos, sendo o cirurgião-dentista o principal profissional da saúde a tratar essa alteração.

Quer saber se você realmente está com esse problema? Pergunte por algumas vezes, a algumas pessoas de sua confiança, se o hálito que você emite incomoda ou não. Se a resposta for positiva, a recomendação da própria Associação Brasileira de Halitose (Abha) é que você procure o cirurgião-dentista. É importante fazer a higienização correta da cavidade bucal, incluindo a língua, ingerir no mínimo dois litros de água ao longo do dia, ter uma alimentação equilibrada, rica em verduras, frutas e legumes, assim, como "drenar" o stress e a ansiedade por meio das atividades físicas. Uma vida saudável contribui para minimizar esses males, mas em todo caso, #vaaodentista!

*Karyne Magalhães é cirurgiã-dentista, habilitada em Halitose e Laserterapia, vice-presidente da Associação Brasileira de Halitose (Abha) e membro da Associação Brasileira de Odontologia (ABO-GO)