Algumas características físicas são consideradas pela maioria das pessoas como algo mais atraente do que outras. É o caso de alguns tipos de sorriso, por exemplo. Para muito, é mais sedutor um sorriso que mostra mais dentes e menos gengiva ao sorrir. Além disso, dentes bem alinhados, claros e naturais (é, é isso mesmo: eu disse naturais) são o centro de atenção da nossa face. Sendo assim, quando o sorriso expõe uma grande faixa de gengiva e os dentes deixam de ser o foco principal, muitos consideram que, automaticamente, o sorriso fica menos atraente.

Mas a verdade seja dita: mostrar uma pequena parte da gengiva é até mais bonito do que não mostrar nada dela. Quando não mostramos nada de gengiva, praticamente não há nada a se fazer, a menos que você precise de cirurgia ortognática, tratamento indicado para pessoas que têm deformidades envolvendo os ossos da face e os dentes, visando restabelecer o equilíbrio anatômico da face, mas esse nem sempre é o caso. Já no caso de exposições de mais de três milímetros de gengiva, elas podem ser melhoradas de forma cirúrgica ou não cirúrgica. 

Conheça as opções de tratamento cirúrgico para exposição excessiva da gengiva:

- A gengivoplastia ou gengivectomia consiste na remodelação gengival cirúrgica. Nesse caso, pode ser necessária a plastia óssea para remover o excesso, o suporte gengival. Esse procedimento é simples, seguro e sem grandes restrições.

- A cirurgia ortognática é o reposicionamento da maxila e/ou mandíbula de forma equilibrada. Essa cirurgia é mais complexa e precisa do tratamento ortodôntico (uso do aparelho) junto. A cirurgia é realizada pelo cirurgião-dentista bucomaxilofacial em ambiente hospitalar, sob anestesia geral. Essa é a cirurgia que precisa de um pós-operatório mais cauteloso, do afastamento das atividades rotineiras e, é claro, essa tem um custo mais elevado. Mesmo assim, ela é a indicada em boa parte dos casos.

- Aumento da coroa clínica dental (gengivoplastia) associada ao cimento ortopédico é uma técnica que consiste na remodelagem, acrescentando esse cimento entre o osso e a gengiva, ocupando uma depressão que normalmente faz com que o lábio fique para dentro. A intenção dessa associação é reposicionar o lábio, "controlar" o lábio hiperativo. Nessa cirurgia, o vermelhão do lábio se torna mais aparente, mais projetado.

- Cirurgia de reposicionamento dos músculos labiais. Essa é a mais arriscada, pois pode comprometer o seu sorriso.

Tratamentos não cirúrgicos:

- Ortodontia para correção do plano oclusal (mordida), intrusão dental.

- Higiene adequada, já que não escovar os dentes ou não usar o fio dental pode causar a inflamação da gengiva (gengivite), o que aumenta o volume da gengiva, cobrindo mais o dente

- Dormir de boca aberta ou ser respirador bucal também ocasiona o aumento gengival.

- Medicações podem promover a hiperplasia gengival (aumento gengival). Se possível, substitua a medicação.

- Toxina botulínica (Botox) relaxa a musculatura labial hiperativa por um tempo máximo de seis meses. O procedimento é simples, rápido e praticamente indolor. Não há grandes recomendações pós-procedimento. Pode ser realizado a cada seis meses.

A avaliação profissional vai te dizer qual tratamento é mais indicado. De qualquer forma, se você se incomoda com o seu sorriso, não deixe de sorrir. Procure tratamento.

*Karyne Magalhães é cirurgiã-dentista, habilitada em Laserterapia e qualificada no tratamento da Halitose, vice-presidente da Associação Brasileira de Halitose (Abha), membro da Associação Brasileira de Odontologia (ABO-GO) e membro da Sociedade Brasileira de toxina botulínica e implantes faciais (SBTI). Acesse saudesalivar.com.br e botoxgoiania.com.br.

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.