Existe uma piadinha do mundo da odontologia, que corre na internet, que diz que "você não precisa escovar todos os seus dentes, só aqueles que quiser manter na boca". Apesar de triste, é exatamente o que acontece. A baixa autoestima, depressão, preguiça e a questão da prioridade influenciam a saúde bucal, assim como o medo de ir ao dentista. Engraçado é que as pessoas não sentem medo de pigmentar sobrancelhas, fazer tatuagens, colocar piercings, mas sentem medo de deitar na cadeira do dentista. 

Há quem passe muitos e muitos anos sem passar por uma consulta odontológica e, quando a fazem, na maioria das vezes, apresentam processos patológicos que são irreversíveis, como a perda dental ou alguma lesão bucal que tenha necessidade de remoção cirúrgica para adequação da saúde da boca, quiçá não seja uma lesão maligna. Saúde bucal é qualidade de vida. Se precisamos nos alimentar para viver, precisamos de dentes. Isso não quer dizer que pessoas edentadas (sem dentes) não sobrevivem. Sobrevivem sim, mas com uma qualidade de vida bem mais baixa.

Os tempos de hoje são bem diferentes dos tempos de ontem. Hoje trabalhamos com prevenção e não apenas com "curação". Graças a Deus, estamos caminhando para uma melhor saúde sistêmica e oral, mas ainda é preciso muita conscientização por parte da população e do sistema público de saúde. Priorizar a saúde é priorizar a vida, não apenas a sua, mas de todas aquelas pessoas que gostam de você e fazem parte de sua vida. Atitude talvez seja o primeiro passo para voltar a sorrir e esbanjar saúde aos ventos. Tenha a atitude de cuidar do seu sorriso!

*Karyne Magalhães é cirurgiã-dentista, habilitada em Laserterapia e qualificada no tratamento da Halitose, vice-presidente da Associação Brasileira de Halitose (Abha) e membro da Associação Brasileira de Odontologia (ABO-GO)