Sabe aquele velho ditado: prevenir é melhor que remediar? Todos concordam com ele, mas infelizmente nem sempre praticam. A vida corrida, faltando horas para completar tudo o que precisa ser feito no dia, faz com que as pessoas esqueçam de cuidar da saúde e quando percebem isso, já passou da hora de fazer o check-up odontológico. Não por descuido, mas pelos compromissos e atropelos diários. E como, às vezes, não sentimos nenhuma dor ou desconforto, o cuidado com a saúde bucal é deixada de lado. 

Se a sua rotina é assim, está na hora de rever as prioridades. O sorriso é o cartão postal de cada pessoa. Então, nada mais justo e saudável do que cuidar dele, não é? Não só pelo lado estético, mas porque a maioria das doenças da boca começa de forma "silenciosa". Sem que a gente perceba, as alterações já podem estar instaladas ou em processo bem evoluído para acabar com a saúde bucal.

Fique atento a esses “perigos” que podem rondar a sua boca e a sua saúde:

- Cárie: manchas brancas ou acastanhadas e/ou “buraquinhos" na estrutura dental.

- Gengivites: inflamação da gengiva, com sangramento, inchaço, dor, vermelhidão, podendo evoluir para perda óssea, ocasionando a Periodontite.

- Mucosite: inflamação das mucosas da boca, podendo gerar dor e descamação, principalmente das bochechas.

- Boca seca: baixa produção ou qualidade salivar, sendo a saliva o "termômetro" da nossa saúde bucal.

- Mau hálito: odor desagradável que eliminado pelo nariz e/ou boca.

- Dores da ATM: região do ouvido, onde se articula a mandíbula, responsável pelos movimentos da boca, sendo o único osso móvel da nossa cabeça.

- Desgaste dental: perda de estrutura dos dentes ou desgastes das restaurações que levam a diminuição da função e estética ideais.

- Câncer Bucal: afeta lábios e a cavidade bucal, mais comum nos lábio inferior de pessoas brancas.

- DSTs: doenças sexualmente transmissíveis, como Herpes, HPV, AIDS, Candidíase Bucal.

-Saúde bucal: qualidade de vida, orientação individualizada sobre cuidados diários com a saúde da boca, meios de evitar as doenças sistêmicas através da saúde pela boca, preservações e acompanhamentos estipulados conforme a necessidade de cada pessoa.

Dizem que tratamentos odontológicos são de alto custo. Posso concordar que são, desde que tenhamos a necessidade de reabilitar uma boca inteira. E isso passa a ser o preço que se paga por fugir e/ou retardar, o que poderia ser prevenido. Com saúde não se brinca! Vamos tratar de prevenir e parar de remediar!

*Karyne Magalhães é cirurgiã-dentista, habilitada em Laserterapia e qualificada no tratamento da Halitose, vice-presidente da Associação Brasileira de Halitose (Abha) e membro da Associação Brasileira de Odontologia (ABO-GO)