Sempre que há a possibilidade de evitar o uso das anestesias, explico e pergunto para o paciente se ele gostaria de tentar fazer o procedimento sem a aplicação. Normalmente, a resposta é sim. No entanto, há aqueles que sentam na cadeira e já pedem para serem anestesiados. Isso devido ao medo da dor. A dor é uma sensação desagradável pela qual não queremos passar. Dor de dente, então, nem se fala. Mas e a sensação da anestesia, você tolera bem?

Ao iniciarmos uma consulta é de praxe perguntar se o paciente tem alergias, quais as medicações que ele usa, se usa drogas ilícitas e se já houve alguma intercorrência durante atendimento odontológico. Apenas após as respostas é que escolhemos o anestésico para inibir a dor durante o procedimento, seja ele cirúrgico ou apenas restaurador. Jamais omita sobre o uso de medicações, doenças e hábitos de vida, pois isso pode interferir no atendimento odontológico. 

Soluções anestésicas locais de média duração permanecem com efeito por aproximadamente quatro horas. É nesse tempo, pós-atendimento, que você deve tomar cuidado para não morder as bochechas, língua e queimar a boca com alimentos quentes. O ideal é que se evite a ingestão de alimentos até a anestesia passar. Se possível, também aguarde para praticar atividade física. Você não precisa e nem deve fazer nada para o efeito da anestesia passar mais rápido. Basta aguardar, que ele vai passar.

Já quando temos que tratar mais de um dente na mesma região e o paciente tolera bem ficar de boca aberta por mais tempo, nós, cirurgiões-dentistas, aproveitamos o bloqueio da sensibilidade, porque assim administramos menos anestésicos no organismo do paciente e o tiramos da rotina menos vezes.

Você pode dizer ao profissional que te atende que gostaria de tentar realizar o procedimento sem o uso dos anestésicos, mas a decisão fica a critério do cirurgião-dentista. Isso porque ele entende bem sobre o procedimento que irá executar.  

*Karyne Magalhães é cirurgiã-dentista, habilitada em Laserterapia e qualificada no tratamento da Halitose, vice-presidente da Associação Brasileira de Halitose (Abha), membro da Associação Brasileira de Odontologia (ABO-GO) e membro da Sociedade Brasileira de toxina botulínica e implantes faciais (SBTI). Acesse karynemagalhaes.com.br e botoxgoiania.com.br.

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.