Aposto que, ao menos uma vez, você já sentiu insegurança sobre o seu próprio hálito, não é verdade? Afinal, quem nunca se preocupou com isso? A halitose, mais conhecida como mau hálito, não é uma doença. Trata-se de uma sinalização de que algo no nosso organismo está em desordem (normalmente a boca). Não é algo para arrancar os cabelos de preocupação, mas posso garantir que tem muita gente que tem mau hálito, mas nem desconfia disso.

Esse problema não é transmitido de uma pessoa para outra (você pode até beijar alguém que tem no Carnaval, que não irá pegar). Entretanto, posso te assegurar que beijar quem tem mau hálito não é nada agradável. Ainda mais porque quem tem halitose não sente o odor incômodo. Isso acontece porque as células do nosso nariz se acostumam com qualquer cheiro em poucos instantes após serem expostas ao estímulo de um perfume e do próprio ar que sai da nossa boca e das nossas narinas. Assim, não podemos ser juízes do nosso próprio odor. 

Por isso, precisamos sim de um alerta. Mas vamos combinar que receber essa notícia é constrangedor, né?  Além disso, ela nos leva à pergunta: e agora, o que fazer? Geralmente, a primeira atitude tomada é caprichar ainda mais na higiene bucal para resolver o problema. E em alguns casos pode ser que isso seja o suficiente. Mas em outros, mesmo com cuidados detalhados para limpar dentes e língua, o problema não resolve. Nessa hora, quem procurar? O cirurgiã-dentista especialista em halitose, claro. 

Além do tratamento para o problema do mau hálito instalado, esse profissional também pode realizar um checkup para prevenir que você passe por essa situação de desconforto e insegurança, que poderá alterar o seu comportamento no convívio social. 

Por que o cirurgião-dentista?

Mais de 90% dos casos de halitose estão relacionados a boca. Sendo assim, dentro da odontologia existem profissionais qualificados para o diagnóstico e tratamento do mau hálito. E é durante a consulta preventiva, que você pode detectar qual a sua qualidade salivar e o quanto de fluxo salivar você produz ao dia. Se o seu padrão salivar estiver muito alterado, você poderá ter queixas não só de halitose, como também de gosto ruim, boca seca, batom grudando nos dentes, tosse, sequidão na garganta, rouquidão, gengivite, cárie, dentre diversos desajustes da saúde bucal. 

E mais uma vez repito: a saliva é o termômetro da saúde bucal. E nós, cirurgiões-dentistas, só podemos prevenir tudo isso se houver o check-up salivar semestral ou anual. Tem dúvidas sobre o seu hálito ou sobre a sua saúde bucal? Procure ajuda de um cirurgião-dentista qualificado no diagnóstico e tratamento da halitose e das alterações salivares. Também se informe aqui no blog sobre esse e outros assuntos referentes a saúde bucal. Não descuide. Previna-se!  

*Karyne Magalhães é cirurgiã-dentista, habilitada em Laserterapia e qualificada no tratamento da Halitose, vice-presidente da Associação Brasileira de Halitose (Abha), membro da Associação Brasileira de Odontologia (ABO-GO) e membro da Sociedade Brasileira de toxina botulínica e implantes faciais (SBTI). Acesse karynemagalhaes.com.br e botoxgoiania.com.br.

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.