Seja na rua, na balada ou na academia, a dança está entre as atividades preferidas de uma grande parcela da população. O ato de dançar proporciona inúmeros benefícios para o corpo e a mente e, o melhor, pessoas de todos os perfis e idades podem – e devem – praticar. Basta querer mexer o esqueleto. A personal trainer e especialista educacional Karla Mead elenca, a seguir, alguns mitos e verdades sobre a prática da dança. Veja:
 
É considerada uma atividade física

Verdade. Toda atividade estruturada, sistematizada e repetitiva que tem como objetivo a melhora da flexibilidade e da força pode ser considerada uma atividade física. A dança ainda auxilia no aumento da coordenação motora e do condicionamento aeróbico, mesmo quando a intenção da aula é simplesmente diversão.
 
Dançar emagrece

Verdade. E como emagrece! Tudo depende da intensidade que cada aluno coloca nos movimentos da coreografia. Em uma aula de zumba, por exemplo, gastos de até mil calorias já foram observados.

Dançar não tonifica os músculos

Mito. Dançar tonifica a musculatura, sim. Os praticantes podem trabalhar glúteos, posterior de coxa, panturrilha, abdômen, costas e quadríceps.
 
Coisa de jovem

Mito. A dança é uma atividade física inclusiva, pois pessoas de todos os sexos e idades podem praticar.  Atualmente é bastante comum encontrar aulas específicas para a terceira idade e é papel do professor adaptar a aula às necessidades individuais dos alunos.  

Tem que ter o dom

Mito. É verdade que algumas pessoas já nascem com habilidade natural para a dança, porém, a flexibilidade, a coordenação motora e o ritmo podem ser adquiridos com treino e dedicação.
 
Só pessoas magras podem dançar

Mito. Todo mundo pode dançar, independentemente do biotipo. As dificuldades que qualquer pessoa venha a encontrar na dança serão sanadas com persistência. O objetivo, acima de tudo, é estar feliz.