Fazer exercícios apropriados, se hidratar, usar cremes, vitaminas e protetor solar religiosamente são alguns cuidados para manter a pele saudável e viçosa. Porém, mesmo com todos esses hábitos, algumas partes do corpo, sobretudo aquelas que ficam mais expostas ao sol, costumam evidenciar os anos vividos. É o caso das mãos. Por mais que uma pessoa não aparente a idade que tem, muitas vezes elas acabam entregado a verdadeira idade.

O aspecto flácido, que aparece no dorso e é causado pelo envelhecimento natural, incomoda muita gente. “A pele das mãos é mais fina do que a de outras regiões do corpo e também possui poucas glândulas sebáceas. Então, é uma área que precisa de atenção ao longo da vida, sendo necessário muita hidratação e proteção solar. Afinal, é uma região que quase sempre está exposta ao sol. É por isso que a proteção física também é interessante em algumas situações. Quando dirigimos por muito tempo, por exemplo, é recomendado o uso de luvas”, explica a dermatologista Rossana Magalhães.

Segundo ela, a aparência das mãos é um tema importante principalmente para as mulheres, que geralmente buscam opções de prevenção e rejuvenescimento. “Se o assunto é a prevenção, precisamos ressaltar que a hidratação deve ser feita com produtos específicos para as mãos. Outro artifício para reduzir os danos e prevenir o envelhecimento dessa região é o uso de alfa hidroxiácidos, que ajudam na recuperação celular. Com isso, a pele torna-se mais flexível e menos vulnerável a rachaduras superficiais. E se o objetivo é evitar manchas e o aspecto envelhecido, o filtro solar deve ser um item de uso constante.”

Além do efeito do tempo e do sol, fatores externos, como o uso de produtos químicos e de limpeza, sem luvas, podem resultar em malefícios para a pele das mãos. “Elas podem sofrer ressecamentos, afinamento da pele, queimaduras, entre outros problemas. Tudo isso pode prejudicar a aparência dessa área. Além disso, o câncer de pele não melanoma, que é o mais frequente no Brasil e corresponde a cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no País, é muito comum nas mãos”, alerta Rossana.

A dermatologista ainda esclarece que essa área costumam ser o local do aparecimento da melanose solar, as famosas manchinhas, que podem ser claras ou escuras, acompanhadas ou não de queratose solar, que é quando a pele fica com aparência mais áspera e descamativa. “Além disso, a perda de gordura entre os ossos da mão é outra alteração comum”, conta.

Tratando e rejuvenescendo

De acordo com a dermatologista Rossana Magalhães, o protocolo de tratamento é individualizado, pois leva em consideração a necessidade de cada paciente. O tipo de tratamento e a quantidade de sessões a serem executadas também podem variar. Por isso, é muito importante procurar um profissional capacitado para realizar o diagnóstico. Confira algumas das opções mais utilizadas:

Peeling químico

Melhora a aparência geral da pele, com a atenuação de manchas e rugas finas.

Laser fracionado

niformiza o tom da pele, melhora as rugas finas e diminui as lesões pré-malignas. Ele pode ser ablativo e não ablativo. O ablativo atinge as camadas mais profundas da pele e é utilizado, inclusive, na redução das lesões pré-malignas, como as queratoses actínicas (lesões vermelhas e escamosas), e para uniformizar o tom. Já o não ablativo atinge a pele de forma mais superficial e é indicado, por exemplo, para estimular a produção de colágeno na região.

Preenchimento das mãos

Esse tratamento oferece rejuvenescimento, aumento do volume e redução da visibilidade de veias e tendões.

Luz intensa pulsada

Tratamento semelhante ao laser, a luz pulsada é usada para remover manchas na pele, combater rugas e linhas de expressão.

Bioestimuladores de colágeno

Com efeito imediato de preenchimento, suaviza a aparência dos vasos e ligamentos e, a longo prazo, estimula a formaçãpo de novas fibras de colágeno e elastina, melhorando a flacidez e o afinamento da pele das mãos.

Esfolie a área!

As mãos são frequentemente negligenciadas na rotina de beleza. A esfoliação, por exemplo, remove a barreira de células mortas, promove a renovação celular e deixa a pele mais aberta para a penetração dos ativos dos hidratantes e protetores solares. Ela pode ser feita uma vez por semana, com esponjas ou esferas abrasivas, ou, ainda, com receitas caseiras para o cuidado da pele: misture uma colher de mel e uma colher de café em pó até formar uma pasta. Aplique nas mãos em movimentos circulares. Deixe agir por 5 minutos e retire com água. Sempre que acabar a esfoliação, aplique o hidratante e o protetor solar.

Cirurgia

É ainda possível recorrer à cirurgia plástica para o rejuvenescimento. Após a avaliação médica, dependendo do caso, pode ser retirado o excesso de pele ou realizado um preenchimento com enxerto de gordura ou uma substância biocompatível permanente para a recuperação de volume, correção de rugas e marcas de expressão. O procedimento resultará em uma aparência mais uniforme da pele. É importante ressaltar que todo e qualquer procedimento cirúrgico estético depende da avaliação médica feita de forma personalizada.