Poucos recursos podem ser mais eficazes para renovar a aparência de uma superfície, esteja ela em qual ambiente for da casa, do que a aplicação de papel de parede. Indicados especialmente para quem pretende promover mudanças rápidas na decoração, sem passar pelos transtornos de uma reforma tradicional, eles podem ser encontrados hoje em uma ampla gama de cores, estampas e texturas.

Onde e como utilizar ficam a critério da criatividade de cada um. É possível, por exemplo, aplicar o papel em todas as paredes de um ambiente, produzindo uma sensação de uniformidade, ou apenas em uma área específica. Com a grande variedade de opções disponíveis no mercado, as duas soluções são possíveis – desde que determinadas regras forem observadas.

“Se a ideia for aplicar o papel em todas as paredes de um mesmo espaço, o melhor a fazer é escolher padronagens discretas, em cores mais amenas, para não carregar demais o visual”, explica a arquiteta Pati Cillo que, em um de seus mais recentes projetos, revestiu todo um quarto de casal com uma papel que reproduzia a textura de um tecido. “Optei por um sóbrio e elegante, com a aparência de um linhão. Trouxe um toque de cor ao ambiente, sem abrir mão da sensação de acolhimento”, conta ela.

“O papéis lisos são ideais para revestir a totalidade de um ambiente, sendo ideais para aplicação em salas e quartos, onde podem substituir a pintura com vantagem, eliminando odores e respingos. Já em espaços como os halls de entrada ou os quartos de crianças, dá para ousar mais, optar por estampas mais fortes”, comenta a também arquiteta Erica Salguero, que resolveu imprimir um efeito urban jungle no lavabo de um apartamento decorado por ela.

Para a designer de interiores Patrícia Hagobian, o momento ideal de escolher é quando a decoração ainda está em andamento. “Nem sempre o papel que você procura está disponível para pronta entrega e, além disso, durante o processo, os móveis e objetos podem servir como inspiração, sugerir outras possibilidades”, considera.

“O papel é um típico elemento curinga, seja nas pequenas ou grandes reformas. Quando a decoração está pronta, ele pode direcionar o olhar para um ponto específico, provocar surpresa”, sugere a arquiteta Pati Cillio. Como exemplos de situações nas quais ela costuma aplicar papéis de parede, com o objetivo específico de produzir efeito, Patti recomenda atenção a três ambientes: os halls de entrada e lavabos – em pelo menos uma das paredes – e nos quartos de adolescentes, onde os papéis de parede podem funcionar como cabeceira de camas.

Nesses espaços, segundo a arquiteta, o papel de parede pode ganhar um peso maior e passar a interagir de tal ponto com os móveis e objetos que, não raro, pode desempenhar a função de protagonista da decoração.