Se você já olhou para uma asiática e pensou “cadê os poros dessa mulher?” ou “o que ela come para ter uma pele dessas?”, você não está sozinha. As mulheres da Ásia, especialmente as sul-coreanas, são mais que entusiastas quando o assunto são os cuidados com a pele. Tanto que o termo K-beauty (korean beauty, beleza coreana), que se refere aos cosméticos desenvolvidos por empresas da Coreia do Sul, já se espalhou pelo mundo. O mesmo aconteceu com os produtos que as asiáticas tanto amam, como os famosos BB Creams, CC Creams e as máscaras de tecido, já encontrados facialmente em farmácias do Brasil.

As asiáticas têm um ritual de beleza peculiar e bem diferente das ocidentais. “Elas são determinadas e cumprem à risca várias etapas de cuidados com a pele, além de realizarem muitos procedimentos. Essas mulheres respeitam o ritual e todos os passos dos cuidados diários da pele de forma metódica, já que consideram importante gastar tempo na limpeza, tonificação e em todos os cuidados para só depois aplicar os cremes de tratamento. Pular etapas e fazer correndo acaba comprometendo todo o processo”, diz em texto do seu blog a dermatologista Tatiana Steiner. Segundo ela, isso explica porque a pele dessas mulheres que se cuidam tanto é tonificada, sem manchas, e, na maioria das vezes, quase sem flacidez.

Essa rotina de skincare inclui muitas etapas diárias, que envolvem limpar, esfoliar, tonificar, hidratar, massagear, nutrir e proteger. “Todo o processo é repetido pela manhã e à noite. E a quantidade de produtos usada, como óleos, loções demaquilantes, sabonetes, espumas de limpeza, tônicos, séruns, creme para a área dos olhos, hidratantes e protetor solar, é muito grande se comparada ao ocidente.”

Direto da Ásia

A influenciadora digital Stephanie Yamaniski é descendente da quarta geração de japoneses e mora em Tóquio, Japão, desde 2015. A rotina asiática de cuidados com a beleza é um dos assuntos que a jovem aborda em suas redes sociais. Segundo ela, quando o tema é a preocupação com a pele, há uma grande diferença entre as mulheres da Ásia e as brasileiras. “A cultura asiática é pautada na prevenção e, por isso, desde pequenos eles são ensinados a proteger e cuidar da pele. Já as brasileiras geralmente buscam tratamentos para diminuir um problema que já existe, como botox depois que já têm rugas ou produtos para amenizar manchas e melasmas já presentes”, explica.

Ainda de acordo com a influencer, as asiáticas têm, de fato, uma rotina de beleza. “Elas cuidam da pele todos os dias e noites, assim como tomamos banho e escovamos os dentes. Para elas, por exemplo, não existe a possibilidade de dormir sem tirar a maquiagem e passar cremes, muito menos sair de casa sem protetor solar ou uma sombrinha. Infelizmente, no Ocidente, temos pouca informação sobre cuidados com a pele ou não damos importância. Então, acabamos cometendo vários ‘crimes’.”

Para Stephanie, um dos benefícios de integrar a rotina asiática de beleza no dia a dia está relacionado com o bem-estar emocional. “Você realmente dedica um tempo para cuidar de si mesma e para se sentir bem. Eu, pessoalmente, adoro ter os meus minutos de máscara facial, massagens com jade roller no rosto e outras coisas. Com isso, em algum tempo, você consegue notar diferenças na pele, que fica mais iluminada.”

Passo a passo

No geral, a rotina asiática de skincare consiste em limpeza dupla com um demaquilante à base de óleo (cleansing oil) seguido de um sabonete facial. “E engana-se quem pensa que pele oleosa não deve usar cleansing oil. Eu mesma pensava assim e minha pele mudou completamente depois que comecei a usá-lo no meu dia a dia. Foi um caminho sem volta”, conta a influenciadora.

Além da limpeza, é realizada a esfoliação, feita de uma a duas vezes por semana. Muitas vezes, ela é química, técnica considerada mais delicada que a esfoliação física com partículas, como geralmente é feita no Brasil. “Depois, vem o tônico, que é mais presente na rotina coreana e prepara a pele para receber os próximos produtos. Aí começam as etapas de hidratação. Usamos loção com ação umectante, que atrai água, sérum para alguma necessidade específica, como antirrugas e clareamento, emulsão com ingredientes oclusivos, que evitam que a água evapore e mantêm a hidratação, e hidratante se a pele for muito seca.”

Para finalizar, segundo Stephanie, as asiáticas ainda apostam em algum creme específico para a região dos olhos, respondendo a necessidades particulares. “E o mais importante de tudo é que na rotina diurna elas sempre passam protetor solar”, destaca.

Negócio rentável

Na Ásia, a rotina de skincare tornou-se um grande negócio e os resultados falam por si mesmos. Segundo um estudo da Foreo, marca sueca de beleza preferida entre os influenciadores digitais, em média, consumidores asiáticos gastam mais de 50 dólares por mês em produtos para o rosto, apesar de o salário médio ser inferior a 10 mil dólares por ano. Isso significa que 6% do salário anual são investidos em cuidados com o rosto.

“Enquanto no Ocidente as pessoas têm de duas a três máscaras faciais diferentes, na Ásia a história é totalmente diferente. Essa paixão histórica por cuidados com a pele está profundamente enraizada na cultura. Eles estão sempre buscando a próxima melhor solução. Não é à toa que todo o mercado hoje está olhando para o K e o C-Beauty”, comenta Bianca Tavares, gerente geral da Foreo no Brasil.

Na nécessaire

Conheça três marcas de cosméticos asiáticos para conhecer

Tony Moly: provavelmente a marca coreana mais conhecida atualmente. A Tony Moly tem todos os tipos de cremes, séruns e máscaras faciais com embalagens encantadoras.

Etude House: a marca chinesa superfeminina comercializa produtos faciais, corporais, linha completa de maquiagem, acessórios e esmaltes.

Holika Holika: com produtos de cuidados com a pele de alta qualidade e uma linha completa para cabelos, além de outros segmentos, é conhecida principalmente pelas máscaras faciais com desenhos de animais. Também atua no mercado de cosméticos masculinos.