A poluição causa vários males à saúde respiratória, mas não só isso. Segundo um estudo alemão publicado neste ano, a impureza do ar, quando sofre ação da radiação solar, também pode prejudicar a pele, potencializando o envelhecimento e a formação de melanoses, caracterizadas por manchas hiperpigmentadas e acastanhadas. 

A conclusão é baseada em evidências epidemiológicas e, de acordo com a pesquisa, a exposição da pele ao material particulado (partículas sólidas e líquidas suspensas no ar) e ao dióxido de nitrogênio (NO2) está associado a um risco maior de desenvolver manchas pigmentadas na face.

A médica Flávia Addor, mestre em dermatologia e pós-graduada em nutrologia, revela que além da poluição, o envelhecimento tem forte influência da radiação ultravioleta A (UVA), que incide de forma constante no corpo ao longo do dia, e não somente das 10h às 15h, período que predomina a incidência dos raios ultravioleta B (UVB). “A faixa UVA adentra profundamente a pele, chegando até a derme, e seu efeito é acumulativo pelo tempo, mesmo sem queimaduras aparentes”, alerta.

O que cada radiação pode provocar na pele desprotegida? 

A médica explica que os raios UVA causam a aceleração de danos dérmicos, que levam ao envelhecimento, hiperpigmentação e doenças fotoalérgicas (alergias desencadeadas pelo sol). Já os raios UVB são os principais envolvidos no câncer de pele, queimaduras de sol e redução da função de defesa da pele.

Como proteger 

O cuidado diário em grandes centros urbanos, com maior poluição, deve contemplar um produto com filtro solar para raios UVB e UVA, assim como antioxidantes, que formam uma segunda linha de defesa contra os danos subclínicos, que ocorrem de forma acumulada na pele. “O cosmético deve garantir a adesão diária. Já a proteção para a exposição solar direta, como piscinas, praias, atividades ao ar livre, também deve considerar uma defesa ampla, mas deve conferir resistência à água e ao suor, por ser usado em um ambiente potencialmente mais nocivo”, aborda Flávia.

O fator de proteção solar mínimo deve ser de 30, tanto na cidade como em climas litorâneos. FPS acima disso deve ser usado não somente em exposições diretas, mas também por grupos específicos, como crianças, pessoas com antecedentes de câncer de pele, tratamentos dermatológicos ou doenças agravadas pelo sol (fotodermatoses). "Na exposição direta, também se deve usar FPS alto, porque sabemos que, na aplicação mais descuidada, o FPS de rótulo pode ser reduzido para 30% ou mais. A proteção para o UVA deve ser pelo menos de 1/3 em relação ao UVB. E para assegurarmos a eficácia, o ideal é reaplicar a cada duas horas ou após exercício, mergulho e sudorese”, explica a dermatologista.

Somado a isso, para a proteger a pele das impurezas do ar, produtos cosméticos antipoluição contendo antioxidantes são eficazes na redução ou prevenção desse aumento na pigmentação da pele. 

Como identificar as manchas da pele 

Há vários diagnósticos para os danos causados por essa exposição solar, como melasma, melanose, hiperpigmentação pós-inflamatória, entre outros. Para a correta identificação e tratamento é fundamental buscar orientação profissional.

Atualmente os médicos podem contar com o auxílio do SAILA (Skin Aging In Longevity Assessment) para identificar os perfis de envelhecimento da pele, que são cinco: oxidativo, glicante, mutagênico, inflamatório e metabólico. Com isso, é possível direcionar um tratamento preventivo e personalizado. "O excesso de radiação solar na pele sem proteção solar pode causar mutagenicidade, perfil mutagênico, que significa mutação do DNA das células. Já os perfis oxidativo e inflamatório também têm íntima relação com a exposição solar, visto que a radiação UV, visível e infravermelha são oxidativas e os fenômenos oxidativos facilitam a instalação de uma microinflamação”, finaliza.