Principalmente na infância e na adolescência, o tamanho da testa pode ser o alvo de zombarias e comentários que afetam profundamente muitas mulheres. A insatisfação com a região é definido pela empresária Juliana Cardoso com uma palavra: trauma. Há cerca de sete meses, ela passou por uma cirurgia plástica libertadora e que tem sido motivo de riso à toa: a frontoplastia, também conhecida como avanço capilar. “Reduziu 2,5 centímetros da testa para atingir a proporcionalidade entre terço superior, médio e inferior”, conta.

No seu caso, foi feito também um lixamento ósseo em uma área da testa que era protuberante, para diminuir o volume. “A frontoplastia é feita na linha do cabelo, e o couro cabelo é avançado para frente. Foi bem tranquilo e a cirurgia é bem rápida. Durou cerca de 1h30, passei a tarde no hospital e fui liberada depois”, relembra. A área em que é feito o corte fica anestesiada durante um tempo, mas não dolorida. A cicatrização foi tranquila segundo ela, com cuidados como protetor solar e pomada cicatrizante.

Sua maior preocupação era com a queda capilar em volta da cicatriz, algo relatado por algumas meninas em um grupo do WhatsApp do qaul faz parte. Ela, no entanto, não sofreu com o problema. “Tirei os pontos depois de dez dias. No segundo dia, quando tira a faixa, tem de lavar o cabelo. Foi bem estranho, a sensação era que ia abrir tudo”, brinca. Se ela se arrepende do procedimento? “Nem por um segundo. Valeu a pena tudo”, comemora.

Muitas das que se incomodam com o tamanho desproporcional da testa não sabem da frontoplastia, cirurgia plástica a que Juliana se submeteu e que realiza incisões na margem do cabelo, avançando o couro cabeludo e tornando o aspecto geral do rosto mais harmônico. “Existem duas formas de realizar: a via fechada e a aberta”, comenta o cirurgião plástico Alex Rocha Borges. A primeira é a chamada frontoplastia endoscópica, procedimento cirúrgico feito por meio de pequenos cortes e com o uso de uma microcâmera.

“São feitas pequenas incisões e descola-se a pele da região”, explica. A principal indicação dessa técnica é a elevação da cauda da sobrancelha, melhor posicionamento das pálpebras e rejuvenescimento da área. “O foco principal são os músculos acima das pálpebras que enrugam a testa”, diz. Se a principal queixa é o tamanho da testa, a via aberta é mais indicada. Um corte na margem do cabelo é feito para retirar o excesso de pele e avançar o couro cabeludo para frente, reduzindo a extensão do terço superior da face. “Outra opção é o implante capilar na região”, comenta o cirurgião plástico.

O tamanho a ser perdido varia de rosto para rosto, podendo chegar a 2 centímetros - às vezes, até um pouco mais. Quanto ao pós-operatório, Alex comenta que não é muito doloroso e, no geral, é tranquilo. “É uma região muito sensível. O grande problema não é nem a dor, mas o inchaço, que deforma muito a face. Então, a gente pede para o paciente ficar uns 15 dias escondido”, explica.

Implante capilar

O procedimento é muito procurado por homens que sofrem com a calvície, mas as técnicas existentes de implante capilar também são recomendadas para mulheres que buscam o avanço da linha do couro cabeludo para diminuir a testa. “O procedimento é seguro e a linha capilar pode ser rebaixada cerca de 1,25 cm a 2,5 cm em um único processo”, explica o cirurgião plástico. Ele diz que não é preciso raspar a cabeça para realizar o procedimento.

“Avaliamos todo o couro cabeludo e procuramos por folículos de lugares que não fiquem aparentes. Implantamos na região demarcada, diminuindo a longa área receptora”, explica. O método FUE (Follicular Unit Extraction, em português Extração de Unidades Foliculares) é um procedimento moderno que tem ganhado destaque por não deixar marcas e não realizar cortes, com os fios sendo implantados um a um. “A implantação é feita introduzindo o folículo na direção e angulação correta do crescimento do cabelo, proporcionando naturalidade”, diz.

 

Supercílio

Dos procedimentos estéticos e cirurgias plásticas em alta no último ano, as melhorias no terço superior da face estão entre os mais procurados. Entre as explicações dos especialistas, está o uso das máscaras, deixando a região em evidência, e as videochamadas frequentes, momento em que as pessoas acabam se olhando por um longo período de tempo nas telas. “Procedimentos minimamente invasivos, como o botox e os preenchimentos que fazem a elevação do supercílio, são muito procurados”, comenta a cirurgiã plástica Bruna Ferrante.

Entre as principais queixas que chegam ao consultório, está a queda da região frontal e surgimento de linhas de expressão, que deixam o olhar cansado e sisudo, além de aumentar a testa. A especialista diz que as maiores queixas em relação ao terço superior da face vem de pessoas na faixa dos 45 a 50 anos. “A partir dos 30 anos, a procura é mais como forma profilática”, comenta. Fios de sustentação, toxina botulínica e o botox like, que simula o efeito da toxina botulínica, estão entre os procedimentos não permanentes e não invasivos.

Para a região da testa e supercílio, existe um arsenal grande de técnicas que podem ser utilizadas e combinadas a depender do resultado desejado. Os métodos de frontoplastia de avançar o couro cabeludo e de levantar o supercílio, promovendo um efeito de fox eyes, são destacadas por Bruna. Entre os procedimentos que podem “levantar” a região e disfarçar os sinais da idade está a blefaroplastia, cirurgia plástica que consiste na retirada do excesso de pele das pálpebras e que reposiciona a região. A testa em destaque, portanto, pode ter diferentes causas e soluções.

A aplicação de botox combinada à blefaroplastia auxilia no efeito de lifting facial e foi indicada para a funcionária pública Maria Julia Diniz Ribeiro, de 58 anos. Sua principal queixa era a pálpebra caída que, além da questão estética, estava atrapalhando sua visão. Ao conversar com a cirurgiã plástica, ela compreendeu que era preciso trabalhar o conjunto: testa, supercílio e pálpebras. “E realmente melhorou tudo: as rugas da testa, o olhar mais aberto. O rosto rejuvenesce e a autoestima melhora”, garante.

 

Disfarce perfeito

Apesar das soluções cirúrgicas e procedimentos estéticos estarem cada vez mais avançados, a boa e velha franja é a maneira mais simples, rápida e acessível de disfarçar a testa grande. Democrática, pode ser incorporada a todos cortes e tipos de cabelo, entre curtos e longos, lisos, crespos e cacheados. Se a procura pelo truque para disfarçar a região do terço superior acontece com frequência? “O tempo todo. E, realmente, a melhora é gigantesca”, comenta a hair stylist e maquiadora Alessandra Nunes. Para ela, a testa grande e a franja são um match perfeito.

A franja pode ser mais comprida, ultrapassando as sobrancelhas, ou mais curta. Pode ser reta, estilo Cleópatra, ou possuir as pontas assimétricas e desfiadas. As possibilidades são muitas, mas algumas coisas devem ser levadas em consideração na hora de decidir o estilo. “A escolha da franja vai depender do formato do rosto, da espessura dos fios e da direção que eles nascem, principalmente se a pessoa tiver um redemoinho na região”, explica a profissional. Para as cacheadas de plantão, Alessandra diz que a franja também é tendência: podem cortar sem medo.

Entre as queridinhas do momento, principalmente entre as famosas, estão as curtain bangs - a franja estilo cortina, aberta no centro, marca registrada da musa Brigitte Bardot nos anos 1960. Mais comprida, dividida ao meio e com as laterais podendo chegar até às maçãs do rosto, é uma boa pedida para mudar o visual sem ousar demais. “Está em alta e é uma franja super versátil”, comenta. Rafa Kalimann, Hailey Bieber e Jennifer Lopez são algumas das que aderiram ao estilo de franja.

Assim como nos outros estilos, as características do rosto devem ser levadas em consideração. “Se corta a curtain bangs dependendo do formato do rosto, podendo ser mais longa ou curta. Geralmente fica bom em todos os formatos, sendo necessário fazer apenas uma adaptação”, diz. “Um rosto redondo, com as bochechas mais altas, pede uma franja mais longa. Em um rosto mais oval, qualquer tamanho de franja fica lindo”, exemplifica.

Quando a vontade de mudar o visual bate, muitas já recorreram à tesoura do escritório na frente do espelho do banheiro de casa. No caso da franja, não é difícil encontrar relatos no estilo “início de um sonho/ deu tudo errado” de quem já se arriscou a fazer sozinha. “A melhor opção é sempre ir em um bom profissional, com certeza. Cortar uma franja não é tão simples como as pessoas pensam”, recomenda.

 

Truques de maquiagem

Para quase toda queixa no rosto, existe um truque de maquiagem para disfarçá-la. Com o tamanho da testa não seria diferente. O contorno é uma técnica que pode produzir bons resultados na região, já que o jogo de luz e sombra pode tirar o foco de alguns pontos e colocar outros em destaque. “Usando um pó bronzeador ou blush, é possível fazer um contorno rente à raiz dos cabelos”, comenta a maquiadora Alessandra Nunes. Há quem diga que é possível diminuir até 1,5 cm de testa com o truque.

Ainda seguindo a ideia de chamar a atenção de um ponto e tirar de outro, destacar a região dos olhos pode ajudar. A sobrancelha, moldura do olhar, pode ser a estrela da maquiagem, mas pede cuidado. “Sobrancelhas naturais são sempre mais bonitas, além de ser uma super tendência”, opina a profissional. O cuidado, nesse caso, é apenas com sobrancelhas muito grossas e franja curta, para não dar o efeito contrário e destacar ainda mais a fronte.