Nós somos formados por um conjunto de aproximadamente mil moléculas orgânicas pequenas, que fazem parte das vias metabólicas, que ocorrem nas nossas células. Esse conjunto de moléculas inclui os aminoácidos, que constituem as proteínas e enzimas; os carboidratos e seus derivados; os nucleotídeos que constituem os nossos DNA e RNA; e os derivados de hidrocarbonetos insolúveis em água, como os lipídeos, também conhecidos pela sua natureza apolar.

O conjunto dessas moléculas e várias outras moléculas – como as vitaminas, ácido pantotênico ou vitamina B5; a água e os sais minerais – fazem parte das unidades estruturais que formam nosso corpo, que são as nossas células. Nesse sentindo, a química da vida é muito especial. Primeiro porque ela está baseada fundamentalmente em compostos de carbono. E, segundo que as células são constituídas de 70% de água e que a vida depende quase que exclusivamente de reações químicas que ocorrem em soluções aquosas.

Esses compostos de carbono são formados a partir da união do carbono com outros átomos – a exemplo de oxigênio, nitrogênio, enxofre, entre outros –, por forças intramoleculares e o agrupamento desses compostos de carbono integram estruturas mais complexas, como as proteínas, que são formadas também por forças intermoleculares.

Dessa forma, é importante ressaltar como a nossa vida é dependente da química: o modo como as nossas células se replicam, como elas defendem o nosso corpo – ligação entre o antígeno e o anticorpo –, como os hormônios sinalizam, como obtemos e produzimos energia no nosso corpo, via alimentação e respiração celular; como o impulso nervoso ocorre entre os neurônios com objetivo de transmitir uma informação, via sinapse química envolvendo neurotransmissores, como dopamina e adrenalina.

Inclui-se também neste processo como os nossos músculos se contraem e relaxam, como a digestão de tudo que comemos e bebemos ocorre, como dormimos – por liberação de moléculas como a melatonina e o Gaba –, como o nosso humor é modulado pela presença de neurotransmissores ou moléculas do bem estar e da felicidade, como a serotonina.

Tudo isso nos mostra que é impossível pensar em um ser vivo sem pensar na química que envolve esse organismo. Assim, a vida é totalmente dependente da química que nos envolve. Para gerar cada indivíduo, é necessária uma quantidade imensa de moléculas que se organizam ou se unem para formar toda a estrutura do nosso corpo e, assim, elas vão promovendo a vida.

Viviane Ovídio de Almeida é bióloga, mestre em Biodiversidade Vegetal, doutora em Ciências Biológicas e professora do Centro Universitário Araguaia.