Por: Lilian Bento

Em sala de aula, por muito tempo, a utilização de redes sociais foi um problema para muitos professores e era apontada como uma desobediência por parte dos alunos. Com o avanço do ensino híbrido e das metodologias ativas, foi preciso que muitos professores e a própria instituição escolar mudassem a maneira de percepção e utilização de ferramentas como o Whatsapp, Facebook, Twitter e Instagram.

“Eu percebo as redes sociais com bons olhos. Por meio de grupos de Whatsapp ou Facebook, por exemplo, é possível criar uma dinâmica muito interessante. O professor pode fazer vídeos divertidos ou usar filtros engraçados e envolver mais os estudantes. São ferramentas importantes e vão além do ambiente virtual de aprendizagem porque os estudantes aprendem muito na rua, na família e na própria internet”, opina Patrícia Rodrigues, mentora e especialista em EaD. 

Para ela, as principais vantagens do uso das tecnologias é a organização e o acesso facilitado às informações e as redes sociais facilitam essa interação entre os estudantes e as ferramentas sugeridas e monitoradas pelos professores. “Hoje temos apps para tudo, que contemplam todos os estilos de aprendizagem. Pode ser um podcast, livros digitais, vídeos, enfim, uma série de mídias que os estudantes podem se aproveitar para potencializar os estudos”, conclui.

A pedagoga Sabrina Oliveira lembra, ainda, que as redes sociais ajudam os professores a conhecer melhor seus estudantes. “Por meio das redes sociais os professores têm a chance de saber mais sobre o interesse dos alunos e é capaz de preparar aulas mais interessantes, o que resulta em uma melhor aprendizagem”, pondera.

Quer saber mais sobre este assunto?
Conheça os cursos de pós-graduação da
UniAraguaia disponível nessa área.
Acesse: www.faculdadearaguaia.edu.br/pos/