As queimadas, que estão destruindo as áreas verdes do Brasil nos últimos dias, têm levado muita gente para as emergências dos hospitais. Isso acontece porque a fumaça nesta época do ano que é historicamente mais seca, contém diversos elementos tóxicos, o que acaba agravando várias doenças respiratórias como rinite, asma, bronquite e Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

Em Goiás, com a baixa umidade do ar, e o clima de deserto, muitas pessoas sentem os problemas provocados pela fumaça das queimadas, que inclusive se assemelham aos sintomas da Covid-19. As queixas mais comuns nos consultórios são dor e ardência na garganta, tosse seca, cansaço, falta de ar, dificuldade para respirar, dor de cabeça, rouquidão, espirros, lacrimejamento, vermelhidão nos olhos, coceira no nariz e garganta, entre outros.

A pneumologista do Sistema Hapvida, Marília Uehara, explica que o mês de setembro é marcado pela baixa umidade e tempo seco, logo existe um aumento de partículas no ar, tanto de pó suspenso quanto do resquícios de queimadas. “Geralmente nesta época nós registramos um aumento da procura de atendimento médico proveniente das consequências da piora da qualidade do ar. É preciso redobrar os cuidados com a alimentação, hidratação, higiene ambiental e uso de equipamentos de proteção individual (EPIs), principalmente para os portadores de doenças respiratórias, crianças e idosos, explica.

Para amenizar os incômodos provocados nesta época do ano, a profissional alerta que é preciso manter o corpo hidratado e o ambiente umidificado. “A atitude mais importante é aumentar a ingestão de água, já que a desidratação do corpo pode causar moleza, desânimo, tonturas, náuseas. Outro fator importante é melhorar a umidade dentro ambiente, seja com bacias com água, toalhas molhadas ou umidificadores de ar”.

Saiba os principais cuidados que devem ser tomados para evitar os prejuízos para a saúde neste período de seca e baixa umidade do ar:

- Hidratação do corpo: beber bastante líquidos que incluem água, água de coco, ou sucos da fruta;
- Manter uma alimentação leve com frutas e legumes e baixa ingestão de sal e açúcares;
- Para atividades ao ar livre, priorizar os horários em que a umidade esteja menos crítica, no início da manhã ou fim de tarde;
- Evitar exposição ao sol das 10h às 16h;
- O nariz e os olhos também precisam de hidratação. Com orientação médica, é recomendado utilizar colírio para os olhos e hidratantes nasais;
- Colocar toalhas molhadas, baldes ou bacias com água pela casa deixam o ambiente úmido e melhoram a respiração.

Sobre o Sistema Hapvida
Com cerca de 6,4 milhões de clientes, o Sistema Hapvida hoje se posiciona como um dos maiores sistemas de saúde suplementar do Brasil presente em todas as regiões do país, gerando emprego e renda para a sociedade. Fazem parte do Sistema as operadoras do Grupo São Francisco e RN Saúde, além da operadora Hapvida. Atua com mais de 30 mil colaboradores diretos envolvidos na operação, mais de 15 mil médicos e mais de 15 mil dentistas. Os números superlativos mostram o sucesso de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos: atualmente são 40 hospitais, 184 clínicas médicas, 41 prontos atendimentos, 174 centros de diagnóstico por imagem e coleta laboratorial.