Na Era 4.0, a busca por profissionais diferenciados aumentou. Termos como social skills, ou habilidades sociais, nunca foram tão falados, e novas competências passaram a ser primordiais.

Ter habilidades de interação mostra-se essencial para um bom desenvolvimento de trabalho em grupo, raciocínio lógico e pensamento crítico. Com isso, a necessidade de introduzir esses assuntos em ensino básico torna-se cada vez mais fundamental.

 

Inteligência como habilidade

Howard Gardner, psicólogo cognitivo e educacional, comprovou que não existe a ideia de inteligência como algo fixo e imutável. Na verdade, existem vários formatos de inteligências, que podem ser desenvolvidos como habilidades.

“Cada vez mais, os estudiosos da educação entendem que o ensino forte vai além de conceitos teóricos e envolve habilidades emocionais e sociais”, diz a especialista em educação infantil Jullyana Soares, também formada em um curso de múltiplas inteligências de Gardner, pela Harvard Graduate School of Education.

Entender a nossa inserção em um contexto social e saber aplicar seus aprendizados no cotidiano torna-se extremamente necessário para os desafios impostos pela atual sociedade. Este é o conceito de Inteligência Contextual.

 

A Inteligência Contextual no cotidiano

O desenvolvimento da Inteligência Contextual aparece na facilidade de leitura do ambiente social e econômico mundial resultando em um indivíduo atualizado e pronto para prever seus próximos passos.

Jullyana ainda afirma que mostrar para a criança a aplicabilidade daquilo que é ensinado na escola é o primeiro exemplo de como criar um indivíduo preparado para entender seu contexto e gerar suas próprias interpretações.

A Inteligência Contextual pode ser dividida em três habilidades básicas:

- Contextualização: capacidade de reunir conhecimentos e informações e realizar suas próprias interpretações;

- Adaptabilidade: habilidade de adaptar-se rapidamente a uma tendência para desenvolver mudanças;

- Conectividade: compartilhamento de conhecimento adquirido com redes de contato, gerando parcerias eficazes.

 

Benefícios da Inteligência Contextual no ensino básico

Na infância, desenvolver percepção contextual é essencial para trabalhar a visão de mundo e suas interpretações. Isso porque a forma como a criança lida com os problemas que aparecem durante a vida é influenciada pela maneira como ela aprendeu a enxergá-los.

“O principal benefício para a criança é ser vista como alguém com habilidades a serem trabalhadas e desafios a serem superados. As dificuldades pedagógicas não são barreiras, mas sim estímulos”, diz Jullyana. Buscar realizar atividades interessantes e diversificadas é essencial para sempre associar o conteúdo à prática.

Assim, os alunos se destacam pela flexibilidade de comportamento, habilidade social, pensamento crítico e estratégico, e valores morais fortes e consistentes. “Só o conhecimento pedagógico não fará da criança um adulto competente e preparado”, conclui Jullyanna.

 

A Escola Ethos e a Inteligência Contextual

São nesses princípios que a Escola Ethos, uma das escolas mais tradicionais e bem conceituadas de Goiânia, se baseia. Ela mostra como é possível iniciar a aprendizagem desses conceitos logo no início da vida escolar.

Seguindo o princípio da Inteligência Contextual, o professor Ethos pensa em soluções estratégicas para cada dificuldade e faz associações do conteúdo com sua rotina. Assim, o aluno percebe que tudo que se aprende na escola é usado também na vida.