Na vanguarda da tecnologia e impulsionado pela missão em atender com excelência aos seus pacientes, o CRD – Medicina Diagnóstica adquiriu, no ano passado, a Ressonância Magnética 3 Tesla, aparelho de última geração que representa o que há de mais moderno no mercado de diagnóstico por imagem no Brasil e no mundo.

A ressonância magnética funciona como um grande ímã e o termo tesla identifica a sua potência. “Quanto maior a potência, melhor a resolução do exame e maior a capacidade de identificação e diagnóstico das doenças”, detalha o neurorradiologista Ricardo Daher, CEO do CRD – Medicina Diagnóstica.

A Ressonância 3 Tesla proporciona um maior campo magnético e uma maior visibilidade das estruturas. Assim o médico radiologista possui maior segurança ao dar o laudo do exame. “É a tecnologia à favor do médico e do paciente”, caracteriza o médico.

Antigamente, existiam ressonâncias de baixo campo, com menos de 1 Tesla. Com a chegada da Ressonância de 1,5 Tesla, melhorou-se bastante a avaliação das imagens. “Mais doenças foram diagnosticadas com maior precisão”, salienta Ricardo Daher. Segundo ele, com a tecnologia de ponta 3 Tesla, o que já era bom, ficou ainda mais potente.

O equipamento é utilizado em situações clínicas específicas que demandam uma análise mais acentuada. “Dentre estas situações, estão as suspeitas de neoplasias, Doença de Parkinson, Vasculites, e alterações no Sistema Nervoso Central”, enumera o especialista.

QUALIDADE DE ATENDIMENTO
Apesar do investimento de alto custo do CRD – Medicina Diagnóstica na compra da Ressonância 3 Tesla, os custos adicionais não são repassados para as famílias ou para a operadora de saúde. “Primamos pelo atendimento de excelência ao paciente. Independente do custo para a clínica, o que importa é a qualidade do exame e do diagnóstico”, ressalta Ricardo Daher.