Após uma noite ruim de sono, um exercício físico mau feito ou mesmo após algumas horas em frente ao computador, é possível sentir uma dor que incomoda nas costas. Infelizmente, essas dores têm se tornado mais comuns, principalmente neste tempo de quarentena, com o aumento do sedentarismo, da postura errada durante o home office e as mudanças nas tarefas domésticas.

É o que comprova uma pesquisa realizada pela Fiocruz, que relatou que 41% das pessoas que não tinham dor de coluna passaram a sofrer com este mal. Também revelou que 50% das pessoas que tinham dor crônica na coluna pioraram durante o isolamento social e o trabalho em casa.

De acordo com o cirurgião da coluna Murilo Daher, as causas das dores nas costas são multifatoriais. “A mais frequente são as degenerações dos discos vertebrais, mas podem ocorrer também em decorrência de outras alterações como degenerações facetarias, deformidades, lesões traumáticas e mesmo causas menos frequentes como infecções ou tumores. Também fatores como estresse e sedentarismo podem estar relacionados com a dor nas costas”, pontua. Ele acrescenta que ao sentir desconfortos ou perceber limitações nas atividades diárias, a pessoa deve procurar um especialista para identificar as causas e prosseguir um tratamento adequado.

O especialista afirma ainda que uma das indicações para o diagnóstico é a ressonância magnética. “A ressonância é indicada para verificar se existem alterações anatômicas que podem explicar os sintomas do paciente, como por exemplo, uma hérnia de disco e deformidades”, esclarece.

Diferenciais

O médico radiologista Renato Daher salienta que a ressonância magnética é o exame padrão ouro para fazer um diagnóstico diferencial. “É possível avaliar músculos, tendões, ligamentos, canal medular, disco vertebral e ainda detectar, por exemplo, tumores na coluna”, lista. Ele ressalta que diferentes doenças podem apresentam sinais e sintomas semelhantes, por isso é imprescindível a junção do exame de imagem juntamente com um profissional especializado.

No CRD - Medicina Diagnóstica existe a Ressonância Magnética de 3 Tesla, que fornece uma imagem com ainda mais qualidade e rapidez que os aparelhos convencionais. “Temos, inclusive, um atendimento especializado para pacientes claustrofóbicos, garantindo melhor bem estar e conforto durante o exame”, detalha Renato Daher. “Diferenciamos ainda com o Projeto Ninar, que permite que crianças façam ressonância sem uso de anestesia, além do funcionamento 24 horas”, completa.