O Vila Nova não pretende contratar novos jogadores até que o calendário do futebol brasileiro seja reestabelecido. Com a incerteza de retomada do Campeonato Goiano, o clube, que declara ter situação financeira catastrófica, dispensou seis jogadores na última semana. A enxugada no elenco se deve à dificuldade de manter o salário dos atletas com o futebol parado.

Outras rescisões não são descartadas pelo Vila Nova. “Tudo e possível nesse momento de crise, não só no futebol, mas em todos setores do Brasil”, afirmou o diretor de futebol do Tigre, Wagner Bueno.

Focado na questão financeira, a saída é buscar alternativas para enfrentar a pandemia do coronavírus com menor prejuízo possível. As dúvidas que rondam o cenário esportivo no mundo deixam somente uma certeza para o Tigre, a de não conseguir manter jogadores sem jogar.

Das 24 contratações da temporada, oito jogadores já deixaram Vila Nova. Os primeiros foram o volante Adriel e o atacante Kauê, ainda em fevereiro. As outras seis rescisões, na última semana, foram causadas por conta da pandemia do novo coronavírus. “O Vila não tem como manter todos esses atletas sem um calendário definido. O critério usado (para as dispensas) é de ordem interna da diretoria”, Wagner Bueno, que estuda, ao lado de dirigentes, formas de amenizar o prejuízo do clube.

Sem calendário definido, a dificuldade pode fazer com que o Vila Nova enxugue ainda mais o elenco, que, atualmente, é composto por 26 atletas. Além das 16 contratações mantidas e dos dois remanescentes da última temporada – goleiro Clériston e meia Alan Mineiro, que se recupera de cirurgia -, oito jogadores que subiram da base completam os treinos, que estão parados.

Sem perspectiva de quando voltará a campo, o clube não se preocupa, no momento, em manter opções para determinados setores. A rescisão do lateral direito Crystian, deixa o time com apenas um jogador para posição, o paraguaio Ramón Coronel. A solução para esta ausência pode ser improvisada no elenco, já que o zagueiro Danrlei também atua pelos lados do gramado.

Duas rescisões da última semana foram de volantes. Liel, que atuou em cinco jogos do Goianão e chegou a ser capitão do time, e Francesco. O tigre manteve a experiência de Pedro Bambu. Além disso, conta com três garotos da base para auxiliar na marcação do meio de campo.

A saída do meia Celsinho deixa Emanuel Biancucchi como único experiente na posição. Com Alan Mineiro em fase de recuperação, os jovens João Pedro, Pablo e Rui, de 21, 20 e 18 anos, respectivamente, são as outras opções no elenco. Apesar do atacante Gilsinho ter tido boas atuações improvisado, não foi utilizado pelo técnico Bolívar.

O setor onde tem maior chance de ocorrerem dispensas é o ataque. Foi a posição mais reforçada pelo Tigre na temporada, nove contratações. Antes da paralisação, uma rescisão já havia sido acertada, a de Kauê. Na última semana, o atacante Dimba, que entrou em campo por sete vezes e não marcou gol, deixou o clube. Apenas um atacante é da base, Anderson, de 19 anos.