Compreender que todas as pessoas são iguais fez parte não só da experiência dos espectadores da Paralimpíada do Rio, mas também de pessoas que viveram o evento dia a dia. Desconstruir as ideias de relacionamento interpessoal, com atletas com deficiência ou autoridades, fez parte da vivência de duas goianas voluntárias nos Jogos.Advogada, Camila Mello esperava conhecer mai...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários