O Atlético-GO completou uma semana de férias coletivas, decididas pelo clube, a partir do dia 18 de março. Essa foi a última vez que houve movimentação do departamento de futebol do clube - desde então, elenco, comissão técnica e a maior parte dos funcionários atleticanos tiveram férias coletivas, por 15 dias. Diante das indefinições quanto à volta das atividades no País e no futebol, em função da pandemia do coronavírus, a diretoria rubro-negra vê o cenário com cautela e doses de pessimismo, além de cogitar medidas para os próximos dias.

Uma delas pode ser ampliar o período de férias, já que o calendário do futebol nacional deve ocupar o mês de dezembro, para definição de competições nacionais. "Na verdade, tudo está paralisado, muito ruim. A CBF ainda não se manifestou, outras entidades do futebol, também não. Estamos à espera das definições das autoridades, dos órgãos de saúde, pois respeitamos todos eles", citou o presidente do Atlético, Adson Batista.

Assim, o retorno previsto da próxima semana, no dia 2 de abril, pode ser adiado caso não haja definições de órgãos governamentais ou da esfera esportiva. Restaria, então, ampliar o período de férias coletivas - o clube decidiu fazer isso antes que a maioria das agremiações, que optaram pela liberação dos atletas.

O Dragão quer evitar problemas com recesso do futebol no fim do ano. Adson Batista se diz "à espera de definições", e que "o balanço é negativo" de tudo que a humanidade, e não o futebol, enfrenta nesse momento. Desde a última reunião no clube (dia 18), entre atletas, comissão técnica e diretoria, houve uma mudança no elenco - a rescisão do atacante Crishtyan, cria da base -, e a definição de que o volante Caio Vinícius, cedido pelo Fluminense, só cumprirá o contrato, até o fim de abril. Sobre a contratação de um novo técnico, Adson Batista também coloca a situação no grupo das indefinições - representaria um custo a mais durante período de inatividade. 

O elenco, antes do início do recesso, viveu semana marcada por suspensão de dois jogos na quinta-feira (19): primeiro, jogaria pela 3ª fase da Copa do Brasil, contra o São José-RS, em Porto Alegre, às 20h30. Como a CBF suspendeu partidas dos torneios nacionais, o Atlético passou a se preparar ao clássico pela penúltima rodada do Goianão, diante do Goiás, às 16 horas, no Estádio Olímpico com portões fechados. Também houve a paralisação do Estadual, pela Federação Goiana de Futebol (FGF), o que fez com que o clube antecipasse as férias. Além disso, as obras de ampliação do Estádio Antônio Accioly e departamento médico do CT do Dragão também estão paralisadas. Os atletas receberam uma cartilha e fazem treinamentos individuais nas suas casas e espaços abertos, quando não há aglomerações.