Quem vê o pequeno Alan Wallison Aguiar Pereira, de 12 anos, fora d’água, tímido e quieto, não imagina o quanto o jovem se agiganta ao mergulhar em uma piscina. Nascido sem os dois braços, por conta de uma má formação congênita, ele encara de corpo e alma o mundo azul que surge em sua frente. É com a mesma determinação que, mesmo não tendo os membros superiores, “abraça”, com v...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários