O período sem jogos, devido a pandemia do coronavírus, modifica a programação dos clubes goianos. No Goiás, as atividades foram suspensas - exceto as obras na Serrinha, por enquanto -, mas os atletas receberam orientações de profissionais de diversas áreas do clube, como preparação física e dos médicos. As modificações e cuidados na parte de alimentação também foram abordados pela nutricionista Sandra Rodrigues, que trabalha no time esmeraldino há 18 anos.

"Na área alimentar, devem ter cuidado um pouco maior. A palavra-chave é moderação. Continuam comendo de tudo, mas sempre com moderação. Ter cuidados com alimentos de maior densidade calórica, que são açúcares, carboidratos simples, como em bolos, biscoitos, salgados, e em relação também à gorduras e frituras. Como não terá gasto (com atividades físicas), o atleta tem de consumir um pouco menos, principalmente desses alimentos que engordam mais", explicou a nutricionista.

"Foi tudo muito rápido. Essa paralisação de atividades será a partir de amanhã (quinta), então ainda não há mobilização em relação à cartilha (nutricional) e recomendação para eles (atletas). Depois será avaliado o tempo que ficará parado, sem treinos. É uma stiuação nova, que nunca aconteceu no país e no mundo. A orientação, como profisisonal da área de nutrição, é que tenham mais cuidado nesse período de quarentena, porque não poderão treinar, nem brincar, seja jogando bola ou praticando outros esportes, como fazem em férias, nem caminhar em praia, por exemplo. A recomendação é se afastar de convívio social, então nada de frequentar academias", lembrou Sandra Nascimento.

O período de quarentena, inicialmente previsto para 15 dias, pode se estender. Mesmo assim, o profissionalismo dos jogadores atuais não preocupa Sandra Nascimento, quando questionada se o período sem atividades pode ser parecido com o período de férias, costumeiramente dezembro e primeira semana de janeiro.

"É difícil o jogador, quando vem de férias, vir com muita alteração em relação ao peso e composição corporal. Os atletas de futebol hoje são muito profissionais. A própria mobilização com essa pandemia, que preocupa todos, demonstra o profissionalismo e preocupação deles. Sabem que é prejuízo para eles se enfiarem o pé na jaca nesse período, que pode ser curto. Nas férias, na pré-temporada, conseguimos reverter rápido aquele pouco de excesso que eles têm em percentual de gordura. Não preocupamos tanto pois são muito atentos", elogiou a nutricionista do Goiás.