Confiança. Esta foi uma das palavras mais utilizadas pelo técnico Marcelo Cabo durante entrevista coletiva concedida, nesta sexta-feira (2), no Estádio Onésio Brasileiro Alvarenga, casa do Vila Nova. 

O sentimento é perseguido pelo treinador, que ruma para o seu quinto jogo no comando da equipe desde sua chegada, há cerca de três semanas. Neste sábado (3), às 19h15, o Tigre recebe o Figueirense, no Serra Dourada, para manter a fase, que teve uma melhora graças à vitória sobre o Brasil de Pelotas, fora de casa, no último jogo pela Série B. O triunfo foi o primeiro do treinador à frente do time colorado, que atuou sem a presença de sua principal referência técnica, o meia Alan Mineiro, em recondicionamento físico.

Confira abaixo algumas das falas de Marcelo Cabo na entrevista pré-jogo:

MUDANÇAS NA EQUIPE

"Realmente o Patrick Marcelino e o Magno foram muito bem. Quem ganha com isso é o Vila, pois passamos a ter duas opções de jogadores que não tinham jogado ainda. A gente tem um ganho muito grande em termos de elenco, para que a gente possa rodar durante a competição. Sobre escalação, vou divulgar uma hora antes. Vou entender o que o departamento médico vai me dar de retorno, pois estamos em uma batida de jogos seguidos. Precisamos dar uma analisada. Vamos fazer um trabalho pronto para formatarmos uma equipe competitiva."

CONFIANÇA APÓS VITÓRIA

"O Vila foi uma equipe competitiva. Sob o meu comando, com certeza, foi a melhor partida. A equipe está evoluindo, começando a entender aquilo que pretendo colocar como conceito de jogo, filosofia. O Vila ganhou um modelo de jogo para atuar fora de casa. Fomos competitivos e eficazes. Foi uma partida que o placar não condiz com o jogo. Soubemos defender bastante, as três linhas funcionaram bem. Assim vamos encorpando e ganhando confiança."

ALAN MINEIRO

"É uma situação muito simples. Ele está passando por um período de recondicionamento físico, de uma meta que foi criada por mim, pela comissão técnica. Digo que a primeira semana de trabalho do Alan foi intensa e muito satisfatória. Foi além da nossa expectativa. Tive uma conversa com o atleta e chegamos a um denominador comum, que a gente precisava tomar essa decisão. Foi tomada por mim, respaldada pela comissão técnica e em um momento importante, para que ele possa voltar bem mais forte do que quando parou. Ele tem se doado bastante, se dedicado. Quero que todos entendam a importância do Alan para o Vila Nova e para o meu trabalho. É um jogador que tem minha confiança, se mostrou com uma humildade tremenda quando fomos conversar e se colocou à disposição da comissão técnica para fazer aquilo que era preciso fazer. Estou muito satisfeito com a conversa que tive e em conhecer o Alan como atleta e ser humano. Não poderia ser diferente do que tinha de ideia de quando eu jogava contra o Vila Nova e via ele jogar. A dedicação tem sido ímpar. Logo ele está de volta nos trazendo aquilo que sabe fazer de melhor, que são gols e assistências. Vai nos ajudar muito na sequência da competição."

OBJETIVOS

"O Vila, nos últimos dois anos, fez campanhas bem perto do acesso. Chego no momento que estamos mais perto da zona de rebaixamento do que do acesso. Mas a competição ainda tem muitos jogos. Temos que pensar jogo a jogo, como uma final, como foi em Pelotas, para sair de perto dessa zona da confusão que nos incomoda bastante. Mas, na história recente, a Série B teve algumas equipes que tiveram arrancadas durante a competição e conseguiram o acesso. Não é fácil, mas é possível. Temos que dar o primeiro passo para chegar na 38ª rodada com possibilidade de acesso. O mais importante agora é ganhar confiança, conseguir uma sequência de vitórias. Temos uma meta de terminar o turno na primeira página da tabela. Claro que de todas as metas que crio para a equipe, a primeira são os 45 pontos, que a gente vai tentar atingir o mais rápido possível para depois pensar em buscar mais."

FIGUEIRENSE

"É um adversário difícil, grande. É um clube de grande tradição, esteve na Série A. Todos os jogos da Série B são difíceis, fora ou dentro. A gente precisa trazer a confiança da vitória em Pelotas e tentar emplacar a segunda vitória na competição, que não temos ainda e que vai nos fortalecer. É um adversário que está num momento melhor do que o nosso e que, apesar da saída do Hemerson (Maria, que pediu demissão do cargo de técnico), foi muito bem trabalhada por ele. Já tem seu modelo de jogo. Vamos ter muitas dificuldades. É um clássico da Série B. Temos que estar com concentração e intensidade alta e fazer prevalecer o mando de campo."