O ídolo colorado Alan Mineiro é o melhor exemplo para resumir o momento do Vila Nova na Série B. Principal jogador do time colorado nas últimas temporadas, o meia de 31 anos vive seca de gols desde a 1ª rodada (27 de abril) e a queda de rendimento do camisa 10 resulta na fase ruim do Tigre, que busca fugir do rebaixamento à Série C.

É na família que o colorado busca parte do apoio que entende ser necessário para retomada do bom futebol e, por consequência, voltar a ser decisivo para o clube goiano.

“Fora de campo, estou buscando apoio e recebendo todo respaldo possível que um jogador precisa. Minha esposa (Andressa), meu filho (Adan) e o outro (Andrei) que vai nascer esse mês. Tenho familiares e amigos em Minas que me ligam várias vezes para transmitir palavras de apoio. A fase que estou vivendo é ruim, mas tenho certeza que vai passar”, comentou o meia Alan Mineiro, que acredita que apenas trabalhando será possível voltar a ter boas apresentações na Série B.

“O ataque do time é alvo principal das críticas e me culpo por isso porque sou o armador e um dos jogadores que marcam os gols. Vou continuar fazendo minha parte. Espero que todos (no elenco) também procurem trabalhar para tirar o time dessa situação. Temos de honrar essa camisa, procurar fazer o melhor”, frisou o jogador, que, além do gol contra o Paraná, possui duas assistências na competição. No ano, o meia é o artilheiro do Tigre, com 11 gols.

Alan Mineiro é um dos poucos jogadores do Vila Nova que conseguiram construir uma imagem positiva e de identificação com o torcedor colorado - Rafael Santos e Wesley Matos são outros exemplos. Muito por causa das últimas temporadas, em que o meia liderou o Tigre nas boas campanhas na Série B 2017 e 2018. No entanto, se tornou habitual, em jogos da equipe como mandante na atual edição do campeonato, escutar o camisa 10 ser vaiado quando toca na bola ou ser xingado por parte da torcida.

“Isso se tornou algo normal, já até escutei torcedores pedindo para eu ir embora. Não vou fazer isso com o time nessa situação. Vou lutar. Entendo o torcedor, sei que, quando as coisas não estão bem, eles vão escolher um. Não serão vaias de alguns que vão me atrapalhar”, comentou Alan Mineiro.

Sem considerar seu atual momento um dos piores da carreira, por entender que está conseguindo atuar, criar oportunidades e finalizar a gol, Alan Mineiro defende o técnico Marcelo Cabo e vê o elenco colorado como responsável pelo momento ruim da equipe. “A culpa não é do Marcelo. Ele coloca em campo quem acha que é melhor. Nós temos de fazer o que ele pedir. Se não conseguirmos, as vitórias não virão. Direcionam para o treinador, mas a culpa é nossa. Todos nós chamamos a responsabilidade. A culpa não é exclusiva de uma pessoa. É de todos”, analisou o camisa 10.

Alan Mineiro chegou a ser barrado em duas partidas, contra Brasil de Pelotas e Figueirense, na Série B. O meia utilizou o período para se recondicionar fisicamente e retornou contra o Operário (15ª rodada). É o atleta que mais finaliza e um dos cinco que mais distribuem passes na equipe colorada. Seu contrato é válido até o final de 2020.

Afastamentos

A má fase do Vila Nova não tem relação com o afastamento de jogadores do elenco, de acordo com Alan Mineiro. Quando Hugo Jorge Bravo assumiu a direção de futebol, no dia 11 de agosto, uma das suas primeiras ações foi afastar seis atletas - Elias, Hélder, Facundo Boné, Araújo, Alan Carius e Keké.

“Eram jogadores importantes, mas a diretoria entendeu que eles não fariam mais parte do grupo. Não podemos lamentar a saída deles porque somos um elenco e precisamos dar valor para quem ficou. O Elias e Hélder são jogadores espetaculares, amigos pessoais, mas é preciso entender a decisão da diretoria”, comentou Alan Mineiro, que acredita que essa situação precisa ser esquecida.

“Não podemos remoer algo de um mês atrás. Temos de valorizar quem está aqui no grupo. Eram jogadores importantes, mas a diretoria entendeu que acabou a era deles aqui. Temos de pensar em quem está aqui. Fica ruim falar dessas coisas no momento que estamos vivendo”, frisou o meia colorado.

O camisa 10 lamenta o mau rendimento em Goiânia. “A situação que estamos vivendo é muito ruim, principalmente nos jogos dentro de casa, em que não estamos conseguindo manter nosso ritmo. Fora, estamos tendo boas atuações e conseguindo bons resultados. Precisamos de apoio da torcida e da dedicação de todos no grupo”, opinou Alan Mineiro.

O Vila Nova volta a campo na próxima quinta-feira (12), contra a Ponte Preta, pela 22ª rodada da Série B. O duelo será disputado no Moisés Lucarelli, em Campinas.