O extracampo era desfavorável: Marta, a principal jogadora do Brasil, se recupera de uma lesão muscular na coxa. Foram nove derrotas seguidas na preparação para a Copa do Mundo e jejum de vitórias que já durava quase um ano. O talento resolveu. Com Cristiane inspirada, a seleção brasileira venceu a Jamaica por 3 a 0 na estreia do Mundial da França.

A atacante, uma das mais experientes do elenco, assumiu o protagonismo e fez os três gols da vitória tranquila no Stade des Alpes, em Grenoble. “Foi uma vitória muito pessoal, entrei com o objetivo de ajudar, não imaginei marcar três gols. Dar a volta por cima com a equipe, vinha de derrotas, desconfiança. É um recomeço, fui muito abençoada e estou feliz demais de representar todas as meninas que estão acompanhando o futebol feminino”, disse a atacante Cristiane, que chegou a se aposentar da seleção, em 2017, e superou depressão e lesões nos últimos anos.

“Era uma dúvida também se eu conseguiria me recuperar para a Copa do Mundo. Acho que é uma vitória pessoal muito grande de tudo que passei. Estou explodindo de felicidade. Foi momento de volta por cima. Poder ajudar as meninas é o mais importante”, salientou Cristiane.

Com o bom início, o Brasil assume a ponta do Grupo C por ter saldo de gols superior ao da Itália, que também venceu na primeira rodada. A Austrália, uma das favoritas ao título, mas que perdeu para as italianas, ocupa o terceiro posto, e a Jamaica é a lanterna. O próximo compromisso do time brasileiro é contra a Austrália, na quinta-feira (13), às 13 horas (de Brasília), em Montpellier.

As brasileiras contaram com o brilhantismo de Cristiane, que se tornou a segunda maior goleadora brasileira em Mundiais, agora com oito gols, atrás apenas de Marta, que tem 15, e se aproveitaram da fragilidade das jamaicanas para largar bem no Mundial. O time comandado por Vadão, mesmo sem Marta, dominou as ações na partida, de modo que teve mais posse de bola (62%) e finalizou mais vezes.

“Golear não nos preocupava, a gente se preocupa em, se tiver chance, fazer porque no último jogo (da fase de grupos) entra o saldo de gols para brigar”, disse o técnico Vadão.