Desde que Harlei Menezes deixou de ser titular absoluto no gol do Goiás, na Série A do Campeonato Brasileiro de 2013, sete goleiros passaram pela meta esmeraldina, mas nenhum conseguiu trilhar caminho parecido com o do ex-jogador. A posição, que se tornou um dos grandes problemas do alviverde nessa temporada 2018, ganhou mais um nome nesta última semana, Sidão. O goleiro chega com contrato de dois anos para tentar escrever uma grande história com a camisa 1 alviverde.

Harlei anunciou aposentadoria no final de 2014, após 831 jogos com a camisa do Goiás, mas já vinha sendo pouco utilizado desde o início da temporada de 2013, quando foi titular durante todo o Campeonato Goiano, mas estreou na Série A sofrendo cinco gols do Cruzeiro e perdeu a posição. Renan, que havia chegado naquele ano, assumiu a meta esmeraldina e iniciou passagem duradoura com a camisa 1, realizando 163 partidas.

Renan ficou cinco temporadas defendendo a camisa alviverde, mas no seu último ano, em 2017, teve uma saída conturbada do clube. O jogador destacou que guarda com carinho a passagem pelo Goiás, mas lamenta a forma como saiu e afirmou que hoje em dia é mais difícil para um goleiro se tornar ídolo de um clube do que antes.

“O goleiro passa muito pelo resultado da equipe e é difícil ele conseguir se estabilizar se o time não consegue os objetivos”, afirmou Renan, que vai defender o São Bento em 2019.

Assim como Renan, Sidão teve a responsabilidade de substituir um ídolo, no caso, Rogério Ceni, pelo São Paulo. Entretanto, o jogador sofreu com as constantes comparações e deixou o clube com uma imagem ruim, principalmente diante da torcida tricolor. No Goiás, o jogador tentará escrever uma nova história para ele e para a camisa 1 do clube. “Chego com muita vontade de fazer história e pode ter certeza que darei meu máximo sempre respeitando as cores do esmeraldino”, disse.

Marcelo Rangel fez 94 jogos. Após temporada espetacular em 2017, mas caiu de rendimento este ano e, após uma neurite vestibular sucedida de lesão no joelho, perdeu espaço no time e tentará se reerguer em 2019.” Eu acredito que para um jogador se tornar ídolo de um clube as coisas devem acontecer naturalmente com o tempo, sem forçar nada, com os resultados positivos e muito foco isso se torna possível”, frisou o goleiro Marcelo Rangel.