O atual técnico do Grêmio, Luiz Felipe Scolari, recebeu da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), R$ 4,1 milhões, referente a rescisão contratual na carteira de trabalho, o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e a multa pela demissão.

O mesmo valor de Felipão foi embolsado pelo coordenador Carlos Alberto Parreira. O auxiliar Flávio Murtosa ganhou R$ 751 mil. Juntos, os três receberam cerca de R$ 9 milhões, após a serem demitidos pelo presidente da CBF, José Maria Marin, em 14 de julho, após a Copa do Mundo.

O salário de Felipão desde novembro de 2012, quando assumiu a seleção, era de R$ 612 mil na carteira de trabalho. Em junho de 2014, o salário do treinador saltou para R$ 902.014,79 por causa de uma premiação não discriminada.

Parreira também foi contemplado e viu o seu salário subir para R$ 901.538,75. Já Murtosa que recebia R$ 82 mil mensais, começou a ganhar R$ 312.169,82.