O ex-técnico do Atlético-GO René Simões anunciou, na última sexta-feira (27), em sua conta em sua rede social, que testou positivo para o novo coronavírus. Com 67 anos, o ex-treinador de futebol se recupera da doença Covid-19. O diagnóstico veio somente 12 dias depois do exame ter sido feito.

“Estou bem. Comecei a ter sintomas no dia 16 de março. Senti dor de cabeça, garganta doendo muito e febre de 37,4 graus. Fui ao hospital, fiz o exame. Preventivamente, resolvi me isolar no meu quarto, longe da minha família”, contou René Simões, que mora com a filha e a esposa no Rio de Janeiro.

O ex-técnico do Atlético disse que a parte mais difícil do isolamento é manter a saúde mental. Os dois primeiros dias foram descritos como “horríveis”. No entanto, depois de estabelecer uma rotina, o pensamento começa a se organizar. “Eu chamo o isolamento de cativeiro. Você tem de ser dono do seu pensamento. Tem muita informação pelo mundo. Costumo ler três ou quatro jornais, com linhas editoriais diferentes, e concluo meu pensamento. Eu que controlo meu pensamento”, disse o ex-treinador de futebol.

A rotina de René Simões começa em arrumar a cama, após levantar, para que dê um sentido de organização em sua vida. A esposa do ex-treinador deixa as refeições à porta de seu quarto. Jogos como Sudoko são suas distrações. Além disso, tem uma varanda em seu quarto, onde grava seus vídeos para o Instagram.

Quando começou a sentir os sintomas, René Simões procurou o hospital. Seu médico pediu o exame e continuou o monitorando, em casa, por telefone. O ex-treinador contou que não teve falta de ar, mas um amigo teve e está internado. “Não senti falta de ar. Um amigo meu sentiu, e disse que ficaria em casa. Falei para ele ir no hospital. Constatou início de pneumonia. Ele está internado. As pessoas estão demorando a ir no hospital, por isso a doença está sendo fatal”, analisou o carioca.

René Simões acredita que pessoas com mais de 60 anos e que apresentam fatores de risco devem se manter isoladas. Além disso, deixou um conselho para os que apresentam sintomas. “Acho que se tiver sintoma respiratório, tem de ir ao médico. Se for apenas dor de cabeça, dor de garganta, fique em casa e se isole”, afirmou.

Outro fator que incomoda o treinador é o efeito social que pode ser desencadeado com o isolamento e o fechamento de comércios. “Minha diarista mora na Cidade de Deus, tem me pedido adiantamentos. Estou fazendo isso por ela. Ela tem a mim, mas imagina os que não têm, não estão trabalhando. Temos um vírus agora, mas teremos um desequilíbrio social será devastador”, analisou René Simões.

O técnico que comandou o Dragão nos anos de 2010 e 2013 está parado desde 2017, quando treinou o time do Macaé. Atualmente, uma parceria com Joel Santana e Glenda Kozlowski está em fase de produção para o 2º semestre deste ano.