O técnico Marcelo Cabo inicia, nesta quinta-feira (22), sua passagem pelo Goiás após encerrar um ciclo instável pelo Vasco da Gama, mas traz consigo a experiência de êxito com dois acessos nas últimas cinco edições da Série B do Campeonato Brasileiro, em 2016 e 2018.

Campeão goiano pelo Atlético-GO no início de 2021, mas da edição 2020, Marcelo Cabo deixou o Dragão para um passo desejado em sua carreira: dirigir um dos grandes clubes do Rio de Janeiro, sua terra natal. O acerto com o Vasco o seduziu, mas a passagem por São Januário não saiu exatamente da forma que imaginava.

Para Carlos Eduardo Mansur, comentarista do Grupo Globo, Marcelo Cabo teve uma passagem marcada pela instabilidade e pela busca de uma identidade de jogo para a equipe. O jornalista faz a ressalva sobre analisar um trabalho tão curto como foi o de Marcelo Cabo no Vasco. “Nas 12 rodadas de Série B com ele (Cabo), o Vasco não jogou bem em momento algum, de fato, não teve atuações convincentes”, avaliou Mansur. Para ele, o Vasco, sob o comando de Marcelo Cabo, buscou impor seu estilo de jogo nos primeiros jogos, perdeu força de marcação e ficou vulnerável no momento de pressionar os adversários e terminou como um time pouco criativo e que apostava nos contra-ataques.

“Ele (Cabo) vivia um momento de instabilidade no trabalho, em que o time parecia ter perdido a identidade. Não era mais um time de um pouco mais de proposição de jogo e, quando tentou ser reativo, não conseguia ser tão seguro e criar contra-ataques. Ficou no meio do caminho”, frisou Carlos Eduardo Mansur, que acredita que Marcelo Cabo poderia ter conseguido dar a volta por cima no Vasco. O comentarista apontou desequilíbrios no elenco carioca que dificultaram a tarefa do novo treinador do Goiás.

Para o comentarista Sérgio Xavier, do Sportv, o Goiás contratou um treinador que conhece muito bem a Série B, suas nuances e atalhos e, por isso, terá um técnico que vai saber suportar bem a pressão pelo acesso à Série A.

“Ele é um especialista em Série B, tem a manha e sabe como funciona a competição. Sabe qual é o clube em que ele está, qual é a expectativa e a pressão que tem de lidar. Ele não se desespera, sabe como administrar”, avaliou.

Para Sérgio Xavier, Marcelo Cabo deve armar a equipe de uma maneira um pouco mais reativa, como tem sido a característica dele nos melhores momentos. “Ele fica mais confortável quando tem material para fazer os times reativos dele, com uma defesa sólida e dois caras bem rápidos pelos lados”, analisou.

Para o comentarista do Sportv, Marcelo Cabo precisou lidar com um certo preconceito sobre sua capacidade de liderar uma equipe do tamanho do Vasco e isso atrapalhou o seu trabalho. “O futebol carioca, como um todo, achou que ele (Cabo) era menor que o clube, que não tinha estatura para dirigir um dos grandes. Isso estava um pouco disfarçado no início”, comentou Sérgio Xavier, que enfatiza que o novo treinador esmeraldino já chega com uma dúvida sobre como fará para ter desempenho melhor do que o que conseguiu no Vasco, que está atrás do Goiás na classificação e que perdeu confronto direto na Serrinha.

No comando do clube carioca, Marcelo Cabo teve 50%de aproveitamento em 12 jogos na Série B.