O Athletico-PR voltará a disputar uma final de Copa do Brasil após seis anos. Faz o primeiro jogo da decisão com o Internacional em casa, nesta quarta-feira (11), a partir das 21h30, na Arena da Baixada, em Curitiba, consciente de que um bom resultado, de preferência com boa margem de gols, pode ser fundamental, pois o confronto de volta da final ocorrerá em Porto Alegre, no próximo dia 18, em um Beira-Rio que estará abarrotado de torcedores do time colorado.

Marcelo Cirino, remanescente da campanha do vice-campeonato do Furacão na competição, em 2013, quando o time paranaense foi superado pelo Flamengo - empatou em casa por 1 a 1 e perdeu de 2 a 0 no Rio -, valorizou a força da equipe rubro-negra em sua casa. “Naquela época, a gente não tinha a nossa casa (o Athletico teve de jogar na Vila Capanema), que faz toda a diferença”, disse o atacante.

“A lição que eu carrego, daquela final, é fazer um grande jogo dentro de casa e conseguir um bom resultado. Temos que tentar fazer um placar que nos ajude para o segundo jogo. Todos sabem da nossa força, jogando em casa, com a atmosfera que a Arena tem. Então, vamos concentrar e focar para fazer um grande jogo”, completou.

Essa será a segunda vez que o Athletico-PR estará presente em uma decisão da Copa do Brasil, para a qual a equipe se classificou com uma vitória nos pênaltis sobre o Grêmio, após triunfo por 2 a 0 no tempo normal, na última quarta-feira, quando devolveu o placar obtido pelo time gaúcho no confronto de ida. E, agora, a equipe encara outro gigante do Sul, mas com o objetivo de abrir vantagem para atuar em uma situação mais confortável na finalíssima.

Para este jogo de ida, na capital paranaense, o Athletico tem duas dúvidas no time titular, sendo uma na lateral direita e, a outra, na zaga. Khellven e Madson lutam pela posição na ala, enquanto Lucas Halter e Robson Bambu disputam um posto para fazer dupla de defensores com Léo Pereira.

O Internacional, por sua vez, terá força máxima nesta quarta, mas foi a Curitiba com uma preocupação a mais: dois de seus atacantes, Nico López e Rafael Sobis (que deve ser reserva), estão pendurados na Copa do Brasil com dois cartões amarelos e, caso sejam punidos, ficarão fora do duelo de volta da decisão.

A expectativa dos gaúchos é de que o ataque do Inter funcione mais uma vez, esta noite. Por isso, o treinador deverá manter o trio ofensivo que começou jogando na vitória por 3 a 0 sobre o Cruzeiro, pelo confronto de volta da semifinal, com o experiente D’Alessandro na articulação e Nico López e o peruano Guerrero na frente.

O Inter fechou a sua preparação para o duelo de ida, da final, com um treino realizado no início da noite desta terça-feira (10), na Arena da Baixada, onde pôde fazer uma adaptação ao gramado sintético do estádio do rival. O Inter foi campeão da Copa do Brasil em 1992.