Em seu primeiro ano no futebol brasileiro, o atacante Daniel “Keko” Villalva encarou mais tempo sem atuar do que dentro de campo, por causa da pandemia do novo coronavírus e a paralisação do futebol, que já dura quase quatro meses. No período sem jogos e de isolamento social, o jogador permaneceu em Goiânia e não visitou a cidade natal, o povoado de Caá Cati, na província d...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários