Aos 9 anos, o então garoto Valdery José da Silva se encantava, à distância, com mágicas atuações deixadas como legado pela seleção brasileira na Copa do Mundo de 1970 (México). A arte que o Rei Pelé e os súditos desfilavam nos gramados mexicanos, em junho daquele ano, fervilhava o imaginário do menino, criado ao lado dos irmãos Beni e Adeli (falecidos) na casa dos avó...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários