Quem chega à pacata Guarantã, cidade com cerca de 7 mil habitantes no centro-oeste paulista, parece voltar no tempo. Nas suas poucas ruas, o pequeno movimento de carros e pessoas em nada remete à modernidade dos grandes centros. Mas, por trás dessa calmaria, há uma revolução em curso no modo de se criar bois, com fortes doses de alta tecnologia. É a chamada pecuária de...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários