Auxiliar de secretaria do Sindicato dos Empregados no Comércio no Estado de Goiás (Seceg), onde trabalha há 12 anos, Eli Flávia Miranda, 42, que mora com a filha e com a mãe, viu a renda da família diminuirdevido a crise causada por medidas de isolamento necessárias para deter o avanço do novo coronavírus. No dia 7 de abril, seu contrato de trabalho foi suspenso, com a...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários