O Brasil vive uma armadilha do baixo crescimento, mas sua evolução não desanda porque tem instituições fortes que inibem a continuidade de políticas populistas e incompetentes, comentou o ex-ministro da Fazenda, Mailson da Nóbrega, nesta terça-feira (29).

"O País tem uma desastrada política fiscal que esconde os excessos e mina a credibilidade", destacou. "Há uma ação sinistra do ministério da Fazenda e do Tesouro nessa área. Contudo, dificilmente o Brasil vai ter um calote da dívida pública. E não deve gerar insolvência."

Segundo Mailson da Nóbrega, o grande risco do País não é voltar ao passado de autoritarismo, o que para ele é uma hipótese praticamente afastada. "O risco do Brasil é perder oportunidades. É crescer pouco. Crescendo a 2% ao ano, o PIB do País quadruplicará em 72 anos. Se crescêssemos 6% ao ano, isso poderia ocorrer em uma geração", destacou.

"O Brasil deu certo, mas precisa enfrentar os desafios da mediocridade. O desafio é como crescer, de forma sustentável e com boa gestão fiscal e combate à inflação", ponderou. Ele fez os comentários na abertura de um seminário realizados pela consultoria Tendências.