Durante a coletiva de imprensa para o anúncio da prorrogação do decreto com as novas regras de isolamento em Goiás, o governador Ronaldo Caiado disse que determinou aos poderes constituídos no Estado um corte de 30% nos gastos.

Ele garantiu apenas a regularidade do pagamento dos salários dos servidores da Saúde e Segurança Pública que estejam “na frente de luta” nos próximos meses. “Essas pessoas terão seus salários mantidos”, afirmou.

Segundo ele, este corte será proporcional à projeção de queda na receita estadual, que deve resultar num déficit de cerca de R$ 4,6 bilhões, o equivalente a 30% da arrecadação entre abril e dezembro. No próximo dia 9, cada poder deverá apresentar a forma como fará seus cortes de gastos.

“Ninguém está falando que será corte de salário, mas cada poder terá a prerrogativa de dizer o que será possível fazer para promover essa redução, ou seja, onde será possível cortar”, avisa Caiado.