Em Goiás, depois de 30 dias de quarentena, 12% das indústrias já teriam demitido 36.600 trabalhadores. O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Sandro Mabel, diz que o departamento jurídico da entidade também já teria analisado o teor do decreto e o considerado ilegal, além de desnecessário. Segundo Mabel, é preciso apenas viabilizar um mecanismo pa...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários