Pelo menos 523,4 mil moradores de Goiás se enquadram em critérios que os habilitam a receber o auxílio emergencial de R$ 600,00 disponibilizado pelo governo federal. As informações levam em consideração dados do Cadastro Único do Governo Federal (CadÚnico) filtrados pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Seds). Vale lembrar que quem já estava neste cadastro teria os dados automaticamente analisados pela Empresa de Tecnologia e Informações de Previdência (Dataprev). Porém, além destes, a legislação prevê requisitos para atender também pessoas que não estejam no CadÚnico, o que torna esses cerca de meio milhão de pessoas apenas uma previsão, e não número exato dos que receberão o benefício no Estado.

A Caixa Econômica Federal, que está conduzido o processo para cadastro daqueles que preenchem requisitos para o auxílio, informou ainda não ter dados regionais. A Dataprev, via assessoria de imprensa do órgão, foi questionada por e-mail sobre previsão do quantitativo de pessoas em Goiás aptas a receber a ajuda, mas não retornou até o fechamento desta edição. O orçamento anunciado para o pagamento do benefício em todo o País é de R$ 98 bilhões.

Para receber as três parcelas de R$ 600,00 do auxílio há uma série de requisitos solicitados (veja quadro). Entre eles, ter renda familiar mensal per capita de até meio salário-mínimo ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos e exercer atividade na condição de microempreendedor individual (MEI), contribuinte individual do Regime Geral de Previdência Social ou trabalhador informal, de qualquer natureza, inscrito no CadÚnico.

No Estado, até o último trimestre de 2019, encerrado em dezembro, havia 396 mil desempregados e 967 mil trabalhadores informais (entre aqueles sem carteira assinada e trabalhadores por conta própria sem CNPJ), segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Contínua, divulgada em fevereiro deste ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. De MEIs, conforme dados divulgados pelo Sebrae, há 341,2 mil empresas em Goiás. A reportagem não conseguiu informações, porém, de quantos cidadãos desses grupos poderiam vir a ser contemplados com o auxílio.

Já os cerca de 500 mil aptos ao benefício em Goiás identificados pela Seds são o resultado de uma soma de 351,1 mil goianos inscritos no CadÚnico, conforme mostrou a coluna Giro de ontem, classificados em nível de pobreza e extrema pobreza, e outros 172.360 autônomos, também incluídos no CadÚnico, mas considerados de baixa renda. Estes últimos, segundo explica a secretária da Seds, Lúcia Vânia Abrão, não se enquadravam no Bolsa Família, por exemplo, mas, com perda da renda familiar, em novo filtro realizado pela pasta, foi verificado que se enquadrariam em critérios para o benefício de R$ 600,00.

Como eles já estão no CadÚnico, a análise e confirmação da possibilidade desses cerca de meio milhão de moradores do Estado receberem o benefício acontecerá automaticamente pela Dataprev. Os demais que venham atender os requisitos, mas não estavam nesse cadastro até 20 de março, têm que se cadastrar via site ou aplicativo da Caixa.

Até o meio dia de ontem, mais de 23 milhões de pessoas já haviam finalizado o cadastro para acessar os recursos do auxílio emergencial, segundo a Caixa.