A Junior Achievement, uma das maiores e mais atuantes ONGs do mundo, completa 100 anos de existência em 2019 com a perspectiva de atender mais jovens no Brasil. Em Goiás, 13,5 mil estudantes goianos, de escolas públicas e privadas, devem receber conhecimentos de empreendedorismo, educação financeira e mercado de trabalho em 2019, contra 10 mil nos anos anteriores. O objetivo é fazer deles empreendedores de seu próprio futuro, através de comportamentos de iniciativa e responsabilidade, que ajudem a desenvolver suas carreiras.

No Brasil há 36 anos e há 16 anos em Goiás, a Junior Achievement já auxiliou 5 milhões de alunos, sendo 162,8 mil em Goiás. Os programas chegam ao estudantes através de uma parceria entre empresas, voluntários e escolas, com financiamento da iniciativa privada. A entidade conta com mais de 30 empresas parceiras mantenedoras no Estado e cerca de 600 voluntários que doam seu tempo para levar conhecimento aos alunos.
A diretora executiva da ONG em Goiás, Marisa Brandão, explica que o objetivo é fomentar nos jovens atitudes empreendedoras para que eles tenham autonomia, sendo protagonistas de suas histórias e se adaptando aos diferentes cenários do mercado. Mas isso não significa que eles tenham que, necessariamente, que se tornar empresários. “Também trabalhamos com futuros colaboradores de empresas que tenham perfil empreendedor. Hoje, as corporações querem profissionais com este perfil”, destaca.

O importante é que o estudante se torne um empreendedor de sua vida, onde seu projeto profissional se insere. A Junior Achievement trabalha com 20 programas de curta duração, que ajudam os jovens a desenvolver competências empreendedoras através da metodologia “Aprender fazendo”. Cada programa é trabalhado com o desenvolvimento de dinâmicas, num conteúdo pragmático desenvolvido pelos voluntários do programa, cujas vivências pessoais acabam inspirando estes jovens, que cursam à partir do 7º ano fundamental.

Os estudantes desenvolvem comportamentos de iniciativa, gestão financeira, marketing pessoal e preparação para o mercado de trabalho. Cerca de 70% dos jovens atendidos são da rede pública de ensino. “Aqueles em situação vulnerável aprendem que não precisam repetir um ciclo de pobreza e que atitudes empreendedoras podem mudar seus destinos”, destaca.

A hoje empresária Marina Viscondi Masseroni foi aluna na primeira turma da Junior Achievement em Goiás e, hoje, é uma empresária do setor de máquinas agrícolas, numa empresa com 405 colaboradores e faturamento de R$ 61 milhões anuais, que apoia o programa. Nele, ela descobriu seu perfil empreendedor, mudou suas intenções de futuro e acabou optando por uma carreira empresarial. “Antes, queria cursar Arquitetura. Depois, percebi que queria trabalhar com produção e fiz Engenharia de Produção”, lembra.

O supermercadista Carlos Henrique Carvalho também participou da primeira turma do programa e, atualmente, é apoiador e voluntário. Depois de ter uma infância muito difícil, o que gerou um sendo de inferioridade, ele conta que a participação no programa ajudou a mudar seu destino. “Com os empreendedores voluntários da época, percebi que poderia vencer as dificuldade e ter sucesso na vida. Hoje, tento levar isso para outros jovens”, justifica.