Aos 42 anos, Nadja Almeida já trabalhou como atendente em lanchonete e em lojas de vestuário. Mas desde o início de 2020 seu único sustento tem sido o trabalho informal na praça do Relógio de São Pedro, no centro de Salvador. Ela trabalha como ambulante vendendo cuecas. Seu patrão é o concessionário do ponto: um homem que compra o estoque, recolhe os lucros e lhe ...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários