A crise econômica apertou, alegam escolas particulares. Com alta na inadimplência, dívidas e forte concorrência, instituições têm optado por fechar as portas, recorrer à recuperação judicial ou se reestruturar. Em Goiás, conforme dados repassados pelo Sindicato dos Professores do Estado (Sinpro Goiás), oito encerraram as atividades no ano passado e 1.363 rescisões de ...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários