Aluno do quinto ano, João Vinicius, 10, não lia nem escrevia. Era indisciplinado e se recusava a tentar aprender. Até que chegou às suas mãos um tabloide colorido, com reportagens atuais escritas para crianças e adolescentes. Três meses depois de a professora ter passado a usar nas aulas edições desse jornal infantojuvenil, o garoto pediu para ler uma notícia em voz a...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários