Para a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o setor está tentando se adaptar a este ‘outro normal’. O vice-presidente de Políticas de Relações Trabalhistas da CBIC, Fernando Guedes Ferreira Filho, alerta que o fechamento escalonado por 14 dias deve gerar atraso e exigir que as empresas adequem a programação de suas obras a esta realidade. Isso significa ...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários