Os quase quatro anos sem a rede de fibra óptica funcionando, de acordo com explicações da superintendente de Telecomunicações da Celg Distribuição (Celg D), Carolina Cavalcante Milhomem, se deve aos limites do contrato de concessão com a Celg Telecom. “Os processos de parceria infringiam a Lei n° 8.666, que se refere às licitações e regras que devem ser seguidas. S...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários