As bolsas europeias fecharam em baixa nesta sexta-feira, 31, após dados ruins sobre inflação e desemprego na zona do euro e em meio à realização de lucros por parte de alguns investidores diante do fim do mês. O índice Stoxx Europe 600 caiu 0,9%, para 300,88 pontos, e fechou a semana com queda de 0,8%. No mês, porém, o índice teve alta pelo 12º mês seguido, de 1,4%, com ajuda dos planos de relaxamento monetário em diversas regiões do mundo.
 
"Estamos vendo muito dinheiro mudando de um lugar para o outro", comentou Max Cohen, operador da Spreadex. "Hoje estamos diante de uma combinação de coisas. Há certa realização de lucros antes do início do próximo mês e cautela com relação à tomada de novas posições porque não se sabe o que esperar do Federal Reserve", acrescentou.
 
Os dados divulgados na Europa contribuíram para o tom negativo das bolsas da região. A taxa de desemprego na zona do euro atingiu o novo recorde de 12,2% em abril, o que amplia a pressão para que o Banco Central Europeu (BCE) lance mais medidas de estímulo à economia na reunião da próxima semana. No entanto, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do bloco subiu 1,4% em maio, na comparação com o mesmo mês do ano passado - uma aceleração ante a alta anual de 1,2% registrada em abril.
 
A Bolsa de Londres fechou a sessão com queda de 1,11%, aos 6.583,09 pontos, e acumulou baixa de 1,07% na semana e alta de 2,38% no mês. Lloyds Banking Group caiu 0,5% depois de vender uma carteira de títulos lastreados em hipotecas residenciais nos EUA por 3,3 bilhões de libras (US$ 5,03 bilhões). Do ponto de vista técnico, Mike van Dulken, analista da Accendo Markets, afirmou que "ainda existe potencial, como destacado na semana passada, para uma correção no índice FTSE-100 até 6.550 pontos".
 
Na Alemanha, dados sobre vendas no varejo mostraram queda de 0,4% em abril, contrariando a previsão de aumento de 0,4%. O índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, terminou o dia com baixa de 0,61%, aos 8.348,84 pontos, mas acumulou alta de 0,52% na semana e de 5,50% no mês - o maior ganho mensal desde julho do ano passado.
 
O índice CAC-40 de Paris caiu 1,19%, para 3.948,59 pontos. Na semana houve queda de 0,21% e no mês o índice subiu 2,38%. As ações de empresas de telecomunicações foram destaque em meio a uma guerra de preços na França. France Telecom recuou 3,3%, Vivendi cedeu 2,0% e Bouygyes perdeu 1,3%.
 
Madri terminou a sessão aos 8.320,60 pontos, uma queda de 1,34% na sessão e de 1,17% no mês, apesar do avanço acumulado de 0,68% na semana. Em Lisboa, o índice PSI-20 declinou 0,91% hoje, resultando em perda de 1,32% na semana e de 4,95% no mês. As informações são da Dow Jones.