Na manhã deste sábado (13), o prefeito de Naque, Hélio Pinto de Carvalho (PSDB) foi assassinado a tiros pelo vereador Marcos Alves (PSDC) na zona rural do município. A Polícia Militar (PM) de Minas Gerais informou que os dois discutiram por causa de uma cerca. O parlamentar foi preso e a arma, supostamente usada no crime, foi apreendida. O atirador alega que agiu em legítima defesa depois de ser agredido pelo prefeito.

Segundo a PM, Marcos Alves é proprietário de uma área e queria cerca-la. No entanto, a propriedade fica ao lado de outro lote que pertence a prefeitura de Naques. Testemunhas contaram à polícia que Hélio Pinto agrediu o Marcos com um chicote, antes do vereador revidar atirando seis vezes contra ele. O prefeito, de 55 anos, foi atingido no tórax e nas pernas, não resistiu aos ferimentos e morreu às 9h51 no hospital de Ipatinga. 

O autor dos disparos fugiu do local do crime em um carro, mas foi encontrado e preso na zona rural de Governador Valadares. Ele mostrou aos policiais várias escoriações pelo corpo e diz que agiu em legítima defesa. "Segundo alegação dele, foi resultado de luta corporal com o prefeito. Para se defender, teria efetuado os disparos", explicou o Sargento Almeida ao G1.

Na delegacia, Marcos Alves disse que o prefeito o tirou do cavalo onde estava, tomou o chicote da sua mão e bateu nele cerca de 10 vezes antes dele decidir atirar. Segundo o suspeito, outros dois vereadores estavam no momento da briga, mas nenhum deles tentou conter Hélio.

A arma utilizada no crime foi apreendida pelos policiais. Marcos Alves de Lima foi levado para a delegacia de Governador Valadares, mas será encaminhado para Ipatinga, onde o caso será investigado.

Os dois são adversários políticos e foram eleitos pela população de Naque, município do Leste de Minas e tem pouco mais de 6 mil moradores, conforme o IBGE.