Em dia de visita no Centro de Internação Provisória (CIP) de menores, em Goiânia, o que fica evidente é o sofrimento dos pais ao saírem e deixarem os filhos apreendidos no local. Isso se repete toda quinta-feira, e ontem não foi diferente. A teleoperadora Fabiana de Souza, de 24 anos, vive essa realidade há um mês, por causa do filho de 16 anos. O que mais lhe dói é ...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários