A falta de sedativos e bloqueadores neuromusculares para pacientes entubados com o novo coronavírus é uma realidade na rede pública de Goiás. Equipes médicas têm recorrido à substituição dos medicamentos em falta por similares, mas isso tem consequências para o paciente. Aumento do tempo de internação, dificuldade de se adaptar ao ventilador mecânico, maior risco de ...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários